sicnot

Perfil

Desporto

Lopetegui diz que não reconhece postura de Pinto da Costa

O espanhol Julen Lopetegui, ex-treinador do FC Porto, admitiu, em declarações ao jornal espanhol AS, que não reconhece a postura de Pinto da Costa, que acredita ser uma estratégia do presidente dos 'dragões'.

© Reuters Staff / Reuters

O técnico garantiu que sempre teve uma boa relação com o presidente do clube e que, inclusive, a despedida foi feita com "lágrimas e abraços sinceros".

"Eu conheci uma pessoa que, neste momento, não reconheço. Pinto da Costa despediu-se de mim entre lágrimas e abraços muito sinceros. Tenho muito carinho pelo clube e pelo presidente, embora não acreditem. Não há nada de mal a dizer acerca dele", disse Lopetegui.

O treinador basco disse que, no entanto, não entende algumas declarações do dirigente nos últimos tempos, negando que tenha sido ele, como admitiu Pinto da Costa, a deixar de atender os telefonemas do presidente portista.

"Eu falava com ele todos os dias e tinha uma relação magnífica. Íamos jantar com as mulheres, constantemente. Sinceramente, creio que obedece a uma estratégia e tem pouco a ver com a realidade. As três últimas chamadas foram minhas, para pedir que me deixasse despedir dos jogadores, e nem sequer me atendeu o telefone. Creio que tinha ganho esse direito", garantiu.

Em relação a essas e outras declarações do dirigente, Lopetegui tem uma teoria, dizendo que foi estratégia.

"A Pinto da Costa apenas tenho a dizer que siga o caminho dele e me deixe fazer o meu, porque eu já vim embora há algum tempo. Não sei muito bem a que se devem todos estes comentários. Estou muito agradecido ao clube, aos seus adeptos e à cidade pela experiência que vivi ali. Fizemos o trabalho da melhor maneira possível. Chegámos com a equipa a 13 pontos do líder, saímos em plena discussão do título e agora estão à distância que havia à nossa chegada. Esses são os factos", disse ainda.

Relativamente a Pinto da Costa se ter mostrado arrependido de lhe ter entregue os comandos da equipa principal, Julen Lopetegui não se mostrou satisfeito.

"Não creio que esteja a ser correto, sinceramente. A atual situação da equipa não tem que ver com a que deixámos, empatados no topo e na luta com o Benfica. Na altura estávamos a disputar quatro competições e agora a equipa está a 12 pontos do primeiro lugar na I Liga", voltou a lembrar.

Julen Lopetegui lembrou ainda a contestação de que foi alvo por parte dos adeptos, numa altura em que ainda estavam na luta por todos os objetivos.

"É verdade que o ambiente era difícil. A contestação de alguns adeptos foi exagerada depois de perdermos o único jogo da temporada. Estivemos dentro do estádio quatro a cinco horas antes de podermos sair", recordou ainda o treinador.

O técnico reforçou finalmente que, em termos desportivos, "foi feito um bom trabalho" e reconheceu que "talvez não tenha sabido ganhar o carinho e o respeito das pessoas".

"Também terei a minha parte de responsabilidade por não ter caído melhor em graça ou por não ter sorrido mais. Mas, mantenho que, desportivamente, fizemos um bom trabalho", concluiu.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.