sicnot

Perfil

Desporto

Doyen diz-se credor do Sporting de dívida de 15 milhões e respetivos juros

O fundo de investimento Doyen Sports esclareceu hoje que o montante em dívida de que é credor do Sporting ascende a "aproximadamente 13 milhões de euros", aos quais se somam "mais dois milhões do contrato de Zakaria Labyad".

(REUTERS/ ARQUIVO)

Através de um comunicado, a Doyen informou que a estes dois milhões referentes ao jogador marroquino acrescem os juros respetivos até hoje e outros custos, nomeadamente de juros até ao dia em que o Sporting efetuar o pagamento.

"Recordamos que a decisão do TAS de dezembro de 2015 validou ambos os contratos na sua totalidade. Recordamos ainda, que em setembro de 2014 o Sporting já tinha pagado quatro milhões e meio por conta destes mesmos contratos", pode ler-se na nota emitida pela Doyen.

Este fundo de investimento aludiu ainda ao 'caso Rojo', futebolista argentino cujo passe o Sporting vendeu ao Manchester United, ao esclarecer que "está atualmente em sede de recurso, intentado pelo clube de Alvalade, na sequência da derrota no Tribunal Arbitral do Desporto (TAS)".

No entanto, não quis fazer comentários sobre o caso enquanto não estiver definitivamente encerrado, mas prometeu prestar todos os esclarecimentos em tempo oportuno para que os associados do Sporting e os acionistas da sua sociedade anónima "percebam até onde vai a falsidade e constantes contradições entre o que o presidente do clube diz, faz e manda fazer".

Em recentes declarações durante o II Congresso Internacional 'The Future of Football', organizado pelo Sporting, Bruno de Carvalho garantiu que o clube tem uma "dupla almofada" para suportar uma eventual indemnização à Doyen, mostrando-se tranquilo à espera da decisão.

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.