sicnot

Perfil

Desporto

Problemas físicos condicionaram João Sousa na segunda ronda do Estoril Open

João Sousa, número um nacional, admitiu que problemas físicos não lhe permitiram estar a 100 por cento no encontro da segunda ronda do Estoril Open em ténis, frente ao espanhol Nicolas Almagro.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

O quarto cabeça de série, que perdeu com Almagro em três 'sets', reconheceu que a derrota de hoje deixa um sabor amargo.

"Penso que fiz um excelente primeiro 'set'. Consegui jogar a um bom nível. No segundo 'set', ele começou a jogar melhor, serviu muito bem. No último 'set', tive alguns problemas físicos que se calhar me impediram, a nível físico e mental, de acabar bem o encontro", admitiu um abatido João Sousa, que se escusou a responder se os problemas físicos se limitavam ao pé.

O número um nacional e 34.º jogador mundial teve um percalço no início do terceiro parcial, ficando a ideia que teria torcido o pé.

"Ainda tenho de valorar isso. O pé dói. Não sei se foi por causa disso que perdi, mas não consegui estar ao meu melhor", indicou, para de imediato contrapor: "Eu não estou a por desculpas na condição física. Não foi pela condição física que perdi".

Após o susto nos singulares e apesar das dores, Sousa quis jogar pares ao lado de Gastão Elias, com a dupla nacional a ser afastado nos quartos de final.

"O importante era saber se estava apto para jogar os pares. O fisioterapeuta fez uma pequena análise e ele disse que eu ia ter dores, porque tinha sido muito recente. Eu sempre que entro em campo, é para vencer", assegurou.

Para o número um nacional, depois do esforço que os dois melhores jogadores lusos fizeram para jogar o par, depois da sua derrota em singulares, a derrota frente aos polacos Lukasz Kubot e Marcin Matkowski foi injusta.

"Penso que a parte psicológica nos singulares pesou mais, penso que no par estive excelente -- mas têm de perguntar ao meu parceiro", disse, salientando que não podia ter ido desanimado para o encontro de pares, porque o seu parceiro não tinha culpa por ele ter perdido.

"Por isso, dei tudo por tudo. Não fomos tão felizes como desejávamos em alguns momentos", acrescentou.

Questionado sobre se a sua participação no Masters 1000 de Madrid está em risco, o número um português respondeu que dependerá da avaliação ao pé.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.