sicnot

Perfil

Desporto

Rivaldo desaconselha estrangeiros a ir aos Jogos Olímpicos

O antigo internacional de futebol e campeão do Mundo brasileiro Rivaldo desaconselhou hoje os estrangeiros a visitar o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio2016, considerando que se o fizerem correm "risco de vida".

© Reuters Photographer / Reuter

"Está cada vez pior. Aconselho a todos os que pretendem visitar o Brasil para ver os Jogos Olímpicos a ficarem nos seus países. Aqui arriscam a vida", alertou o antigo Bola de Ouro (1999) no seu Instagram, postando uma foto de uma jovem estudante de 17 anos assassinada com um tiro durante um arrastão no Rio de Janeiro

Rivaldo, campeão do Mundo pelo Brasil em 2002 e agora com 44 anos, falou ainda dos "hospitais públicos que estão ao abando e de toda a confusão na política brasileira".

"Só Deus para mudar a situação do nosso Brasil", completou Rivaldo, que vive atualmente com a família nos Estados Unidos, onde abriu algumas escolas de futebol para crianças.

O Rio de Janeiro vai albergar de 05 a 21 de agosto os primeiros Jogos Olímpicos na América do Sul, tendo as autoridades revelado a mobilização de 80.000 elementos de forças de segurança para combater a violência, endémica na cidade.

O Brasil está igualmente mergulhado em recessão económica e numa crise profunda, com a presidente Dilma Rousseff a enfrentar um processo de destituição.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.