sicnot

Perfil

Desporto

Antonio Conte foi ilibado das acusações de fraude desportiva

O selecionador italiano de futebol, Antonio Conte, foi hoje absolvido das acusações de fraude desportiva, referentes a 2011, que colocavam em causa a sua presença no Euro2016 pelo risco de pena de prisão de seis meses.

© Alessandro Garofalo / Reuters

Depois de uma audiência no tribunal de Cremona, no norte de Itália, Conte ficou ilibado no escândalo de viciação de resultados 'Calcioscommesse', em que era acusado de ter conhecimento da viciação do jogo entre Siena e AlbinoLeffe, a da segunda divisão italiana, em maio de 2011.

Conte, na altura treinador do Siena, não terá comunicado às autoridades a ilegalidade e foi suspenso por quatro jogos, já quando se encontrava na Juventus.

O procurador Roberto Di Martino pedia uma multa de 8.000 euros e seis meses de prisão, mas a decisão favorável a Conte permite que o treinador lidere a Itália no Europeu de França, antes de se mudar para Inglaterra, onde treinará, a partir de julho, o Chelsea.

O advogado de Conte, Francesco Arata, explicou a decisão: "Conte é um estranho no mundo das apostas desportivas e, por isso, foi ilibado".

Também o adjunto de Conte, Alessio, foi declarado inocente e livre dos quatro meses de suspensão pedidos.

O processo, ainda por concluir, engloba mais de 90 figuras do futebol italiano. Stefano Mauri, da Lazio, foi o jogador mais mediático do caso, tendo sido suspenso por seis meses na época 2013/14.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.