sicnot

Perfil

Desporto

Rio de Janeiro vive guerras entre criminosos a 81 dias do Rio2016

O Rio de Janeiro convive, a 81 dias dos Jogos Olímpicos, com 15 guerras entre fações de tráfico e milícias, gerando medo em 21 bairros da cidade, segundo a edição de hoje do jornal Extra.

© Nacho Doce / Reuters

Com base em registos de ocorrência, investigações da Polícia Civil e relatos de polícias que trabalham naquelas áreas, o jornal avança que, nos últimos dois meses, a cada quatro dias, em média, houve uma nova guerra entre criminosos.

Durante este período, pelo menos 21 pessoas foram mortas e oito ficaram feridas nesses ataques.

De acordo com o jornal, 12 dessas guerras ocorrem a menos de oito quilómetros de instalações olímpicas.

Na semana passada, por exemplo, elementos de várias favelas dominadas pela maior fação do tráfico do Rio de Janeiro juntaram-se para invadir quatro comunidades ocupadas por uma fação rival, que estão dentro de um raio de oito quilómetros dos locais onde serão disputadas as provas de hipismo, ciclismo e canoagem nos Jogos Olímpicos.

A Secretaria de Segurança respondeu ao Extra que "o planeamento operacional de segurança para os Jogos Olímpicos Rio2016, baseado em análises de riscos e ameaças, está em fase de finalização".

"Cenários dinâmicos estão a ser avaliados pelas equipas de inteligência e todas as estratégias operacionais necessárias para garantir um ambiente pacífico e ordeiro para a realização do evento estão a ser consideradas", adiantou.

Os Jogos Olímpicos de 2016, que se realizam pela primeira vez na América do Sul, decorrem de 5 a 21 de agosto.

Lusa

  • "Vai ser uma batalha forte e dura"
    2:51
  • A tática dos 3 Rs de Carlos Queiroz
    1:58
  • Comandante da Proteção Civil confiante nos meios de combate aos incêndios
    1:56

    País

    Depois das falhas apontadas ao sistema de comunicações SIRESP durante os incêndios do ano passado, o cComandante operacional da Proteção Civil diz que não há meios de comunicação infalíveis. Duarte Costa acredita que este verão será mais calmo do que anterior e contabiliza já mais de 2000 incêndios desde maio que não foram notícia.