sicnot

Perfil

Desporto

Sindicato dos futebolistas defende punição dos infratores na operação Jogo Duplo

O Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF) defendeu hoje que os infratores na operação Jogo Duplo, que levou à detenção de 15 pessoas, entre futebolistas, dirigentes e outros, sejam "devidamente punidos".

(Reuters/ Arquivo)

Em comunicado, o SJPF "reitera a necessidade de defender intransigentemente a verdade desportiva e de combater as práticas ilícitas que a colocam em causa" e, apesar de se escusar a "tecer conclusões prévias ao encerramento da investigação criminal", assume "o ensejo de que os infratores, sejam eles quais forem, sejam devidamente punidos".

"Assistimos de forma reiterada à desvalorização do fenómeno dos resultados combinados, potenciado por um mercado de apostas ilegais cada vez mais organizado e ardiloso. Se as dificuldades financeiras dos jogadores e dos clubes propiciam o aliciamento por parte de organizações criminosas, a falta de regulamentação eficaz e de escrutínio da idoneidade dos investidores no futebol português compromete, em definitivo, os valores do desporto, entre os quais a verdade desportiva", assinalou o SJPF.

Atendendo à "urgência de soluções, e sem prejuízo do trabalho meritório das entidades policiais", o SJPF prometeu convocar "os seus parceiros institucionais para um debate sério sobre as medidas que, pela via da regulamentação desportiva, podem e devem ser tomadas".

Além disso, a estrutura sindical vai apresentar ainda este mês uma iniciativa de combate aos resultados combinados para a próxima época, intitulado Projeto Anti Match-Fixing -- Deixa-te de Joguinhos.

Lusa

  • Marinha dos EUA considera "absolutamente inaceitável" desenho de um pénis no céu

    Mundo

    Os cidadãos do Condado de Okanogan, em Washington, foram surpreendidos esta quinta-feira com o contorno de um pénis no céu. A imagem resultou de um rasto de condensação deixado por um avião militar norte-americano. A Marinha confirmou que um dos seus pilotos tinha desenhado a figura no ar e defendeu que a situação era "absolutamente inaceitável".