sicnot

Perfil

Desporto

Kris Meeke separado da vitória do Rali de Portugal por duas especiais

O britânico Kris Meeke (Citroen DS3) continua a liderar o Rali de Portugal, depois de cumpridas hoje as duas primeiras especiais do último dia, e está a 33 quilómetros da vitória na quinta prova do campeonato do mundo.

JOSE COELHO/ EPA

Depois da primeira passagem nos troços de Vieira do Minho e Fafe e após a conclusão de 17 provas especiais de classificação (PEC), o norte-irlandês comanda com 35,5 segundos de avanço sobre Andreas Mikkelsen (Volkswagen Polo R), que foi o mais rápido nestas classificativas e desalojou do segundo lugar o colega francês Sébastien Ogier. O tricampeão do mundo é terceiro, a 43,6.

Com participação reduzida neste campeonato, uma vez que a Citroen abdicou deste Mundial para preparar o novo carro para 2017, Meeke necessita apenas de continuar a gerir a vantagem na segunda passagem (PEC 18 e 19) para celebrar em Portugal a sua segunda vitória no WRC, depois da que obteve em 2015 na Argentina.

"A primeira especial estava um bocado enlameada e era fácil ser surpreendido, mas na segunda a aderência foi mais consistente. Faltam duas e tenho uma vantagem de 35 segundos, estou contente. A 'power stage' não me interessa, a vitória é o que eu quero", disse o britânico, que fez o terceiro tempo nos dois troços, cujo piso, sobretudo o primeiro, se apresentou escorregadio devido à chuva que caiu durante a noite.

Independentemente da posição em que terminar, Ogier vai continuar a liderar o campeonato do mundo, mas deverá ver adiada a sua quinta vitória em Portugal, continuando aquém do recorde de Markku Alen. Importunado por um furo, o francês foi segundo na PEC 16 e voltou a ser mais lento do que Mikkelsen na seguinte, perdendo cerca de 11 segundos em 33 quilómetros.

"Não posso correr o risco de ter outro furo, por isso não posso andar tão à vontade. Mas com certeza que vou continuar a tentar", afirmou o gaulês, que nunca esteve três ralis seguidos sem ganhar desde que chegou à Volkswagen em 2013. Este ano, venceu em Monte Carlo e na Suécia e depois foi segundo no México e na Argentina.

Andreas Mikkelsen, segundo no ano passado em Portugal, atrás do finlandês Jari-Matti Latvala, parte para as duas últimas especiais com 8,1 segundos de avanço.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.