sicnot

Perfil

Desporto

Kris Meeke separado da vitória do Rali de Portugal por duas especiais

O britânico Kris Meeke (Citroen DS3) continua a liderar o Rali de Portugal, depois de cumpridas hoje as duas primeiras especiais do último dia, e está a 33 quilómetros da vitória na quinta prova do campeonato do mundo.

JOSE COELHO/ EPA

Depois da primeira passagem nos troços de Vieira do Minho e Fafe e após a conclusão de 17 provas especiais de classificação (PEC), o norte-irlandês comanda com 35,5 segundos de avanço sobre Andreas Mikkelsen (Volkswagen Polo R), que foi o mais rápido nestas classificativas e desalojou do segundo lugar o colega francês Sébastien Ogier. O tricampeão do mundo é terceiro, a 43,6.

Com participação reduzida neste campeonato, uma vez que a Citroen abdicou deste Mundial para preparar o novo carro para 2017, Meeke necessita apenas de continuar a gerir a vantagem na segunda passagem (PEC 18 e 19) para celebrar em Portugal a sua segunda vitória no WRC, depois da que obteve em 2015 na Argentina.

"A primeira especial estava um bocado enlameada e era fácil ser surpreendido, mas na segunda a aderência foi mais consistente. Faltam duas e tenho uma vantagem de 35 segundos, estou contente. A 'power stage' não me interessa, a vitória é o que eu quero", disse o britânico, que fez o terceiro tempo nos dois troços, cujo piso, sobretudo o primeiro, se apresentou escorregadio devido à chuva que caiu durante a noite.

Independentemente da posição em que terminar, Ogier vai continuar a liderar o campeonato do mundo, mas deverá ver adiada a sua quinta vitória em Portugal, continuando aquém do recorde de Markku Alen. Importunado por um furo, o francês foi segundo na PEC 16 e voltou a ser mais lento do que Mikkelsen na seguinte, perdendo cerca de 11 segundos em 33 quilómetros.

"Não posso correr o risco de ter outro furo, por isso não posso andar tão à vontade. Mas com certeza que vou continuar a tentar", afirmou o gaulês, que nunca esteve três ralis seguidos sem ganhar desde que chegou à Volkswagen em 2013. Este ano, venceu em Monte Carlo e na Suécia e depois foi segundo no México e na Argentina.

Andreas Mikkelsen, segundo no ano passado em Portugal, atrás do finlandês Jari-Matti Latvala, parte para as duas últimas especiais com 8,1 segundos de avanço.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.