sicnot

Perfil

Desporto

Marafona recusa estatuto de herói e realça "concretizar de um sonho"

O guarda-redes Marafona recusou o estatuto de herói da conquista da Taça de Portugal de futebol pelo Sporting de Braga por ter defendido duas grandes penalidades, mas disse ser o "concretizar de um sonho".

Marafona adivinhou os lados para que os portistas Herrera e Maxi Pereira remataram, tornando-se decisivo na vitória dos bracarenses (4-2 no desempate por grandes penalidades).

"Os penáltis são o momento, ainda bem que os defendi porque deram a Taça ao Braga. Se sou o herói do jogo? Não, os heróis são todos estes jogadores, todo este staff e toda esta massa associativa, somos todos heróis", considerou.

Muito solicitado por alguns dos milhares de adeptos arsenalistas que hoje preencheram a Praça do Município enquanto a equipa era recebida no salão nobre da câmara de Braga, o guardião de 29 anos disse ter poucas palavras para explicar o que sentia.

"É um sentimento inexplicável, ontem (domingo de madrugada) e hoje ver esta multidão, esta gente, é o concretizar de um sonho, é inexplicável", reforçou.

Marafona jogou até janeiro no Paços de Ferreira, tendo ingressado nos minhotos depois da venda do russo Kritciuk nesse período, e há duas épocas estava na II Liga.

"A vida dá muitas voltas, felizmente vim para este grande clube conquistar uma grande competição", disse.

Realizou apenas um jogo do percurso do Sporting de Braga na Taça de Portugal e logo o da final: "é verdade, acabei por fazer o jogo decisivo e ainda que bem que consegui ajudar a equipa", disse.

Se na equipa de 1966 que levou para Braga a primeira Taça de Portugal a figura é o argentino Perrichon, autor do único golo da partida com o Vitória de Setúbal, na de 2016 será Marafona.

"Disso ninguém me livra e é um orgulho imenso pertencer à história do Braga", concluiu.

Lusa

  • Sporting de Braga volta a ganhar Taça de Portugal 50 anos depois
    1:58

    Desporto

    O Sporting de Braga venceu a Taça de Portugal. A equipa minhota venceu o Futebol Clube do Porto nas grandes penalidades depois de um empate a dois ao fim de 120 minutos. Carlos Marafona foi o herói da baliza minhota e defendeu os remates de Herrera e Maxi Pereira. Já o Sporting de Braga marcou todos e coube a Marcelo Goiano marcar o golo que deu lugar à festa. O Sporting de braga leva a Taça de Portugal para o Minho, 50 anos depois.

  • Presidente do SC Braga acredita que não terá de esperar mais 50 anos para conquistar outra taça
    2:51

    Desporto

    Depois de, esta madrugada, milhares de pessoas terem esperado pelo Sporting de Braga, a equipa foi hoje homenageada na Câmara Municipal e a festa pela conquista da Taça de Portugal continuou. Jogadores e equipa técnica tinham, uma vez mais, uma multidão à espera. O presidente do clube, António Salvador, diz acreditar que não terá que esperar mais 50 anos para conquistar o troféu novamente.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.