sicnot

Perfil

Desporto

Portugal confirmado como um dos seis países a testar vídeo árbitro

Portugal vai ser um dos seis países do mundo a receber testes para a implementação do vídeo árbitro, anunciou hoje a International Board (IFAB), entidade que regula as leis no futebol. A estreia desta tecnologia em Portugal vai ocorrer na Supertaça Cândido Oliveira, a 7 de agosto, no embate entre o tricampeão Benfica e o Sporting de Braga, vencedor da Taça de Portugal.

Os restantes nove jogos em solo luso serão também em encontros organizados pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), casos dos jogos dos quartos de final, das meias-finais e da final da Taça de Portugal.

Além de Portugal, também Austrália, Brasil, Alemanha, Holanda e Estados Unidos vão integrar esta primeira fase de testes durante a época 2016/17, em jogos oficiais e sem divulgação pública, sendo que a segunda está marcada para 2017/18, já de forma experimental e pública.

"Enquanto isso, mediante a conclusão bem-sucedida dos testes iniciais, o Mundial de Clubes de 2016, a realizar no Japão, está também definido como um evento teste final, antecedendo as experiências públicas na época seguinte", lê-se no comunicado da IFAB.

Em abril, a FPF tinha ficado integrada no grupo de estudos, logo passível de acolher testes, um mês depois de o IFAB ter aprovado a título experimental o recurso às imagens vídeo nas arbitragens dos jogos.

O período experimental decorrerá durante os próximos dois anos, "o mais tardar na época 2017/2018", para, segundo o comunicado do IFAB, "identificar as vantagens, desvantagens e os piores cenários".

Após o aval à tecnologia de linha de golo, em 2012, o 'guardião' das leis do futebol voltou a abrir as portas a outras tecnologias para auxílio do trabalho dos árbitros.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.