sicnot

Perfil

Desporto

FIFA suspende proibição imposta aos clubes de recorrerem a investidores

A FIFA suspendeu hoje a proibição que aplicou ao clube belga FC Seraing de contratar novos futebolistas nas próximas quatro janelas de transferências, por ter recorrido a investidores na aquisição de jogadores.

© Ruben Sprich / Reuters

O FC Seraing tinha contestado a decisão através de um recurso para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), sedeado na Suíça.

Esta decisão da FIFA não decorreu de uma imposição do TAS e significa que os clubes podem voltar a recorrer à 'ferramenta' dos investidores em direitos económicos dos jogadores no mercado de transferências.

Muitos clubes, sobretudo de países mais pequenos, com menor capacidade financeira, alegam que o recurso a investidores permite ter equipas mais competitivas, reduzindo o 'fosso' que as separa das equipas dos clubes mais ricos, ao ter acesso a jogadores, através das receitas provenientes desses investidores, que não teriam capacidade, em condições normais, de contratar.

A proibição imposta pela FIFA foi levantada até que o TAS dê o seu veredito sobre o caso do clube belga FC Seraing, sendo expetável que venha a ser conhecido durante o verão.

O TAS já tinha tomado uma decisão favorável à Doyen Sports no caso Marco Rojo no litígio com o Sporting, rejeitando as alegações do clube português, que negociou o futebolista argentino para o Manchester United sem pagar a percentagem dos direitos económicos que aquele fundo de investimento detinha no respetivo passe.

O organismo máximo do futebol mundial tinha proibido a participação de investidores em direitos económicos dos jogadores a partir de 01 de maio de 2015, decidindo que os contratos assinados antes de 31 de dezembro de 2014 teriam a validade de sua duração e os acordos firmados entre 01 de janeiro e 30 de abril de 2015 só poderiam ter um ano de duração.

Na prática, a nova regra protegia os investimentos já feitos, restringia os acordos celebrados entre janeiro e abril e proibia esse tipo de negócio a partir de maio.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.