sicnot

Perfil

Desporto

Chris Froome vence Dauphiné pela terceira vez

O britânico Chris Froome (Sky) confirmou hoje o terceiro triunfo no Dauphiné, após a sétima e última etapa, entre Le Pont e Superdévoluy, ganha pelo seu compatriota Stephen Cummings (Dimensio Data).

© Jon Nazca / Reuters

Para Froome vencer o Dauphiné tem sido um bom presságio, uma vez que após os seus dois anteriores triunfos nesta prova acabou por conquistar igualmente a Volta a França.

Num percurso de 151 quilómetros muito acidentado, com seis contagens de montanha, Froome viu o espanhol Alberto Contador (Tinkoff) atacar diversas vezes na penúltima subida, mas o britânico conseguiu sempre responder.

Também o francês Romain Bardet (AG2R) tentou ameaçar o triunfo de Froome, mas o melhor que conseguiu foi roubar o segundo lugar ao australiano Richie Porte (BMC), que foi igualmente ultrapassado pelo irlandês Daniel Martin (Etixx-QuickStep).

Indiferente à luta pelo triunfo final, Cummings, o último resistente de um grupo de 20 fugitivos, cortou a meta isolado, em 4:05.06 horas, 3.58 minutos antes de Martin e Bardet, que tiraram cinco segundos a Porte, Froome e Contador.

Na geral, Froome terminou o Dauphiné com 12 segundos de avanço sobre Bardet, 19 sobre Martin, 21 sobre Porte e 25 sobre Contador.

Entre os portugueses, André Cardoso (Cannondale) voltou a ser o melhor, na 26.ª posição, a 7.56 minutos de Cummings, com Nelson Olveira (Movistar) a ser 58.º, a 14.39, sendo que Sérgio Paulinho não terminou.

Cardoso terminou a corrida na 27.ª posição, a 19.27 minutos de Froome, enquanto Nelson Oliveira foi 40.º, a 37.05.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.