sicnot

Perfil

Desporto

Blatter diz que viu sorteios na Europa em que esfriavam as bolas

O ex-presidente da FIFA, Joseph Blatter, revelou que foi testemunha de sorteios na Europa em que se aqueciam e esfriavam as bolas que continham os nomes das equipas, mas garantiu que isso nunca sucedeu na FIFA.

© Denis Balibouse / Reuters

Numa entrevista publicada segunda-feira pelo diário argentino La Nación, Blatter afirmou que "é possível sinalizar as bolas aquecendo-as ou esfriando-as", que é um mecanismo utilizado para influenciar o cruzamento das equipas nos sorteios.

"O sorteio da FIFA era limpo até ao último detalhe. Eu jamais toquei nas bolas, coisa que outros faziam. Podem-se sinalizar as bolas aquecendo-as ou esfriando-as. É tecnicamente possível. Fui testemunha em sorteios a nível europeu em que isso aconteceu", disse Blatter, garantindo que na FIFA, que dirigiu entre 1998 e 2015, "isso nunca se fez".

Blatter explicou que as bolas "eram colocadas numa geleira" e que a simples comparação entre umas e outras ao tocá-las "permitia determinar as que estavam frias e quentes".

Quanto às investigações levadas a cabo pela Justiça norte-americana e pelo Comité de Ética da FIFA, afirmou que "nada vai ser encontrado" porque a lei penal suíça "nunca foi violada", assegurando estar de "consciência tranquila".

Blatter contou ainda que no Mundial 2014, no Brasil, minutos depois de a seleção argentina ter sido derrotada na final pela Alemanha, por 1-0, ao entregar o troféu de melhor jogador da competição a Lionel Messi, este repetia para si mesmo "sou o melhor, mas não sou campeão".

"Cristiano Ronaldo não se pode comparar com Leo Messi. Claro que Messi é melhor. Gostava muito de conversar com ele, é um bom rapaz", rematou Blatter.

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite