sicnot

Perfil

Desporto

Blatter diz que viu sorteios na Europa em que esfriavam as bolas

O ex-presidente da FIFA, Joseph Blatter, revelou que foi testemunha de sorteios na Europa em que se aqueciam e esfriavam as bolas que continham os nomes das equipas, mas garantiu que isso nunca sucedeu na FIFA.

© Denis Balibouse / Reuters

Numa entrevista publicada segunda-feira pelo diário argentino La Nación, Blatter afirmou que "é possível sinalizar as bolas aquecendo-as ou esfriando-as", que é um mecanismo utilizado para influenciar o cruzamento das equipas nos sorteios.

"O sorteio da FIFA era limpo até ao último detalhe. Eu jamais toquei nas bolas, coisa que outros faziam. Podem-se sinalizar as bolas aquecendo-as ou esfriando-as. É tecnicamente possível. Fui testemunha em sorteios a nível europeu em que isso aconteceu", disse Blatter, garantindo que na FIFA, que dirigiu entre 1998 e 2015, "isso nunca se fez".

Blatter explicou que as bolas "eram colocadas numa geleira" e que a simples comparação entre umas e outras ao tocá-las "permitia determinar as que estavam frias e quentes".

Quanto às investigações levadas a cabo pela Justiça norte-americana e pelo Comité de Ética da FIFA, afirmou que "nada vai ser encontrado" porque a lei penal suíça "nunca foi violada", assegurando estar de "consciência tranquila".

Blatter contou ainda que no Mundial 2014, no Brasil, minutos depois de a seleção argentina ter sido derrotada na final pela Alemanha, por 1-0, ao entregar o troféu de melhor jogador da competição a Lionel Messi, este repetia para si mesmo "sou o melhor, mas não sou campeão".

"Cristiano Ronaldo não se pode comparar com Leo Messi. Claro que Messi é melhor. Gostava muito de conversar com ele, é um bom rapaz", rematou Blatter.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.