sicnot

Perfil

Desporto

Isinbayeva descarta competir sob a bandeira olímpica no Rio 2016

Yelena Isinbayeva, recordista mundial do salto com vara, descartou hoje a possibilidade de competir sob a bandeira olímpica nos Jogos Rio2016, depois de a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) ter mantido a suspensão da federação russa.

© Sergei Karpukhin / Reuters

"Não irei, seguramente, sob a bandeira do Comité Olímpico Internacional. Em primeiro lugar, porque sou russa e tenho um país e uma bandeira. Em segundo lugar, o presidente do COI Thomas Bach já disse há algum tempo que competir sob a bandeira do COI é improvável, já o nosso país não boicota os Jogos, nem está em guerra", afirmou.

A dupla campeã olímpica (Atenas2004 e Pequim2008) e medalha de bronze em Londres2012 disse ainda que há outras circunstâncias importantes para si e que a impediriam de competir sob a bandeira olímpica.

A russa saltou hoje 4,50 metros nos Campeonatos da Rússia de atletismo, uma marca que lhe garantiria a presença no Rio2016, naquele que foi o seu primeiro salto oficial desde que decidiu ser mãe a seguir ao triunfo nos Mundiais de Moscovo, em 2013.

"Hoje foi o meu primeiro salto oficial depois da baixa de maternidade. O meu salto demonstrou que estou realmente preparada para ganhar a terceira medalha olímpica de ouro, mas devido a algumas pessoas certamente não poderei fazê-lo", referiu.

Este poderá mesmo ter sido o último salto da carreira de Isibayeva, caso o COI decide na terça-feira não abrir exceção para os atletas russos sem suspeitas de uso de doping.

"Pode ser que o meu final de carreira e o veredicto do COI sejam no mesmo dia", disse a russa.

O COI terá na segunda-feira um encontro para estudar "a situação dos países cuja agência nacional tenha sido declarada incumpridora" pela Agência Mundial Antidopagem (AMA).

Na sexta-feira, a IAAF decidiu manter a suspensão da federação russa, devido a vários escândalos de dopagem, alegadamente apoiados pelo estado, decisão que deixa fora dos Jogos os atletas daquele país.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.