sicnot

Perfil

Desporto

Líder das claques russas volta a França dois dias depois de ter sido deportado

A polícia francesa voltou a deter o líder de extrema-direita e da associação de adeptos da Rússia, na cidade de Toulouse, dois dias depois de o deportar no seguimento da violência que se registou no jogo Inglaterra-Rússia, em Marselha. As autoridades

Alexander Shprygin foi deportado de França mas, dois dias depois, em pleno confronto Rússia-País de Gales, telefonou à agência France Press e afirmou: "Estou no jogo, com um bilhete".

"As autoridades francesas disseram-me que eu não tinha sido deportado, mas expulso. O meu visto não foi cancelado e tenho todos os registos. Por isso, legalmente posso estar na União Europeia", declarou. O líder da associação de adeptos da Rússia publicou ainda no Twitter fotografias suas, à porta do estádio de Toulouse.

As autoridades ainda não esclareceram como é que Shprygin conseguiu entrar de novo em França. Segundo uma mensagem no Twitter, o próprio disse que seguiu uma "rota não convencional" e publicou uma fotografia de um avião da espanhola Vueling Airline.

Shprygin foi um dos 20 adeptos russos expulsos de França após a violência desencadeada antes e durante o jogo Inglaterra-Rússia, em Marselha.

  • França expulsa líder de extrema-direita e das claques russas

    Euro 2016

    O líder de extrema-direita e da associação de adeptos da Rússia vai ser expulso de França, no seguimento da violência que se registou por ocasião no Inglaterra-Rússia, em Marselha. Alexander Shprygin integra um grupo de 20 adeptos da seleção russa que estão a ser expulsos de França na sequência dos desacatos deste sábado.

  • Protestos e violência no Rio de Janeiro
    1:08
  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36
  • Cogumelos alucinogénios entre as drogas mais seguras

    Mundo

    Os cogumelos alucinogénios são considerados uma das drogas mais seguras, quando consumidos para fins recreativos. A conclusão é avançada no Global Drug Survey, um estudo anual divulgado esta quarta-feira sobre os hábitos de consumo de drogas de quase 120 mil pessoas em 50 países.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.