sicnot

Perfil

Desporto

Volta a França terá câmaras térmicas para detetar motores

Câmaras térmicas vão ser utilizadas na Volta a França em bicicleta para combater a fraude tecnológica, anunciou hoje o secretário de Estado francês do Desporto, Thierry Braillard.

© Stefano Rellandini / Reuters

Essas câmaras térmicas permitem detetar motores instalados nas bicicletas e foram desenvolvidas pela Comissão de Energia Atómica, a pedido do Governo francês.

"É muito importante detetar a batota", disse o presidente da União Ciclista Internacional (UCI), Brian Cookson, presente em Paris juntamente com Braillard, com o ministro francês da Investigação do Ensino Superior, Thierry Mandon, e com o diretor do Tour, Christian Prudhomme.

Esta tecnologia foi utilizada de forma experimental nos campeonatos de França, no fim de semana, revelou o presidente da Federação Francesa de Ciclismo, David Lappartient. "Os testes foram conclusivos. Até um motor desligado poderia ter sido detetado", acrescentou.

O tipo de câmara a utilizar entre 2 e 24 de julho na Volta a França poderá ser operado a partir de uma mota ou na beira da estrada e o seu uso será feito em complementaridade com o método de ressonância magnética, já utilizado nas partidas e nas chegadas.

Braillard sublinhou que o Governo francês está a preparar legislação para tornar a fraude tecnológica ofensa criminal.

O primeiro caso comprovado de utilização de um motor foi detetado em janeiro na bicicleta da belga Femke Van den Driessche nos Mundiais de ciclocrosse. A ciclista, de 19 anos, foi suspensa por seis anos e multada em 20.000 francos suíços (cerca de 18.800 euros).

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite