sicnot

Perfil

Desporto

Brasil prevê realizar 22 mil atendimentos médicos nos Jogos Olímpicos

O Ministério da Saúde do Brasil anunciou hoje que prevê realizar 22 mil atendimentos médicos nas instalações olímpicas e paralímpicas durante a realização dos eventos desportivos no Rio de Janeiro, nos meses de agosto e setembro.

© Sergio Moraes / Reuters

A informação foi divulgada no lançamento do Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde (Ciocs), no Rio de Janeiro.

Segundo o órgão, a estimativa é que de 1% a 2% dos espectadores as competições vão precisar de atendimento médico. O governo brasileiro estimou, ainda, que 90% destes casos devem ser solucionados dentro das próprias arenas esportivas.

No evento, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, fez questão de frisar que os compromissos para receber os Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Rio de Janeiro foram cumpridos.

Porém, a Agência Brasil informa que o Ministério da Saúde ainda trabalha para contratar cerca de 2,4 mil profissionais de saúde temporários para reforçar os hospitais durante os eventos.

O ministério comunicou que as ocorrências de saúde nos Estados que receberão competições serão monitoradas 24 horas por dia a partir do próximo dia 29.

Ricardo Barros disse que esta vigilância durante a competição "ajudará as equipas de saúde a estarem aptas para atender a qualquer ocorrência o mais rápido possível".

Turistas estrangeiros e brasileiros também terão acesso a uma versão olímpica do aplicativo gratuito Guardiões da Saúde, usado para comunicar sintomas de problemas de saúde e também para descobrir o endereço das unidades de atendimento médico.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31