sicnot

Perfil

Desporto

Halterofilista ucraniana desqualificada e perde o bronze conquistado em 2012

O Comité Olímpico Internacional (COI) desqualificou hoje a halterofilista ucraniana Yulia Kalina dos Jogos de Londres2012, retirando-lhe a medalha de bronze então conquistada, por ter acusado o uso de doping.

© Stefano Rellandini / Reuters

A atleta, que concorreu na categoria de -58 quilos, acusou turinabol, um derivado da testosterona, comprovado pelas análises efetuadas durante a sua participação no certame londrino.

"Karina deverá devolver a medalha de bronze, o diploma e o pin que lhe foram entregues", refere um comunicado do COI, que solicitou ainda à Federação Internacional de Halterofilismo que "modifique os resultados da competição".

Assim, o terceiro lugar e respetiva medalha de bronze serão atribuídos à tailandesa Rattikan Gulnoi, que acumulou um total olímpico de 254 quilos, menos um do que a ucraniana.

O mesmo comunicado refere que o resultado positivo de Kalina foi descoberto graças às análises recolhidas em Pequim2008 e Londres2012, com recurso às novas ferramentas de análise e investigação, que hoje permitem detetar substâncias proibidas que passaram despercebidas.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.