sicnot

Perfil

Desporto

Chris Froome conquista pela terceira vez Paris

Chris Froome, o 'queniano branco', subiu hoje mais um degrau no 'olimpo' do ciclismo, ao vencer pela terceira vez a Volta a França, numa 103.ª edição em que, desde início, não teve rival à altura.

A história do incontestado vencedor da 102.ª edição da 'Grande Boucle' começa a contar-se ainda no Quénia, onde nasceu a 20 de abril de 1985 e onde viveu parte da sua vida.

O ar rarefeito, a altitude de Nairobi e os campos de treino do seu mentor, David Kinjah, parecem ter ajudado na sua evolução como atleta, embora os seus resultados nessa altura fossem modestos.

A mudança para a África do Sul, aos 14 anos, apresentou-lhe outros desportos, que o fizeram perceber que o ciclismo de estrada era a sua paixão, um encanto que assumiu ao tornar-se profissional aos 22 anos.

Debaixo do seu temperamento tranquilo, escondia-se o desejo de correr mais e melhor, de testar os seus limites e as suas qualidades, uma ânsia que o levou a chocar com um comissário no início do contrarrelógio Mundiais sub-23 de 2006.

A queda naquele que era o seu primeiro grande momento na Europa, a verdadeira terra prometida do ciclismo, revelou as suas falhas técnicas, mas garantiu-lhe uma oportunidade na equipa de desenvolvimento da União Ciclista Internacional (UCI) e um contrato com a equipa sul-africana Konica Minolta.

Uma vitória na Volta ao Japão, as raízes africanas e uma palavra amiga do sul-africano Robert Hunter valeram-lhe, um ano depois, um contrato com a Barloworld, que tinha o orgulho de reunir várias nacionalidades no seu 'pelotão' particular, incluindo a portuguesa, na pele de Hugo Sabido.

Embora o salário fosse baixo e a competição exigente, Froome tinha, finalmente, conseguido o seu passaporte para o ciclismo europeu, reforçado com uma licença britânica, concedida pelas origens do seu pai e avós, depois de um aceso processo com a Federação Queniana, e com um lugar nos nove escolhidos para disputar o Tour.

Na estreia na prova francesa foi 84.º, no Giro do ano seguinte terminou em 36.ª, sendo o sétimo na classificação da juventude. Os resultados impressionaram a Sky, que o contratou em setembro de 2009.

O seu primeiro ano na equipa britânica foi bastante discreto e incluiu uma desclassificação na Volta a Itália, por ter feito parte da 19.ª etapa agarrado a uma mota. Mas, em 2011, o seu progresso foi evidente: depois de ser 'top 20' em provas como a Volta à Romandia ou a Volta a Castela e Leão, foi escolhido para ser o gregário de Bradley Wiggins nas montanhas da Vuelta.

Rapidamente o trabalhador passou a algo mais, quando, no contrarrelógio, vestiu a camisola de líder e, nas montanhas, mostrou estar melhor do que o seu chefe de fila, terminando no segundo lugar da prova espanhola, naquele que era então o melhor resultado de um britânico numa grande Volta desde 1985.

Depois da Vuelta, mereceu novo contrato de três anos com a Sky, que o apoiou no anúncio de que sofria de bilhárzia, uma doença tropical parasitária que destrói os glóbulos vermelhos, que lhe foi diagnosticada em 2010, mas que não tem cura.

A doença afetou a primeira parte da época de 2012, mas na primavera o britânico de Nairobi estava preparado para escoltar Wiggins no Tour. Na primeira etapa, perdeu tempo numa queda, mas nas montanhas revelou-se superior ao seu chefe de fila, criando uma polémica que alimentou a imprensa e que envolveu as mulheres dos dois corredores.

Mais do que as capacidades reais na estrada, prevaleceu a vontade da Sky, que ordenou a Froome que esperasse por Wiggins quando este desfaleceu na 17.ª etapa, escolhendo aquele que viria a ser campeão olímpico em Londres2012 para vestir a amarela. Desde esse dia, a relação entre os dois não voltou a ser a mesma, com Froome a ambicionar mais do que o segundo lugar de 2012, um resultado que chegaria um ano depois, na 100.ª edição.

A equipa britânica percebeu que era 'Froomey' o seu futuro e elegeu-o para ser o seu homem 'Tour'. O ano de 2014 adivinhava-se risonho para o britânico, mas uma queda atirou para fora da corrida e roubou-lhe a hipótese de defender o seu título.

A tentativa de redenção chegou na Vuelta, no entanto, o adiado duelo com Alberto Contador foi favorável ao espanhol. Pragmático, estabeleceu que 2015 seria de novo o seu ano, o do regresso ao lugar mais alto dos Campos Elísios e nada o demoveu.

Mesmo contra gestos ofensivos do público -- foi atingido por urina, cuspidelas e apupado na subida ao Alpe D'Heuz -- e constantes suspeitas sobre o seu rendimento público, Froome venceu a Volta a França, então com a oposição de Quintana.

Em 2016, apoiado por uma fortíssima Sky, Froome foi sempre o mais forte do Tour e nem duas quedas, uma das quais acabou por correr montanha acima, enquanto esperava uma bicicleta de substituição, colocaram em causa o seu triunfo.

Froome vestiu pela terceira vez a camisola amarela nos Campos Elísios e juntou-se a um grupo restritos com três triunfos na 'Grand Boucle' e ficou a apenas dois dos recordistas Jacques Anquetil, Eddy Merckx, Bernard Hinault e Miguel Indurain -- algo que não parece impossível, caso mantenha a superioridade que demonstrou este ano.

Lusa

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço dos professores
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50