sicnot

Perfil

Desporto

Yelena Isinbayeva não fecha as portas a um eventual regresso às pistas

A atleta russa Yelena Isinbayeva, bicampeão olímpica do salto com vara, deixou a porta entreaberta relativamente a um regresso à competição, quatro dias depois de ter dito que ia abandonar as pistas.

Em entrevista ao diário russo Sport-Expresse, publicada hoje, a saltadora com vara, uma das maiores ausências nos Jogos Olímpicos Rio2016, face à exclusão dos atletas russos, por um escândalo de doping, disse que não negará "de forma rotunda" a hipótese de regressar à competição, chegando mesmo a abordar os Jogos Olímpicos Tóqui2020.

"Só Deus sabe o que vai ocorrer na próxima olimpíada. Nada é impossível", afirmou Isinbayeva, de 34 anos e recém-eleita para a Comissão de Atletas do Comité Olímpico Internacional (COI).

Questionada novamente se poderia ponderar a decisão de deixar as pistas, Isinbayeva deixou todas as possibilidades em cima da mesa: "o tempo o dirá, quando se aproximarem os Jogos Tóquio2020. Não vou responder com um não rotundo".

"A porta está encerrada. Mas, se mais tarde, surgir uma oportunidade, voltarei a abri-la. Se as estrelas se conjugarem, então tudo é possível", ironizou a russa.

Isinbayeva ficou impedida de lutar pela revalidação do título na sequência da exclusão da Rússia pela Associação das Federações Internacionais de Atletismo (IAAF), após o escândalo de 'doping' patrocinado pelas autoridades de Moscovo.

De acordo dom a imprensa russa, a saltadora com vara estaria a ponderar candidatar-se à presidência da Federação Russa de Atletismo.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31