sicnot

Perfil

Desporto

Nacional vai homenagear bombeiros madeirenses no jogo com o Benfica

O jogo de sábado entre o Nacional e o tricampeão Benfica, da terceira jornada da I Liga de futebol, no Estádio da Madeira, na Choupana, vai servir também para homenagear os bombeiros madeirenses.

O Nacional pretende destacar o trabalho dos bombeiros no combate aos incêndios há duas semanas, que assolaram a Região Autónoma da Madeira.

Numa curta nota, o clube madeirense lembra que a receção aos 'encarnados' "será muito mais do que um jogo de futebol".

"Será, acima de tudo, um momento de homenagem a todos os bombeiros da região, que durante largos dias combateram os incêndios que flagelaram a nossa ilha, com um agradecimento particular a todos os que contribuíram para que pessoas e bens ficassem a salvo", pode ler-se na nota enviada pela assessoria de imprensa do clube.

A 'onda' de incêndios na ilha também atingiu as instalações da Cidade Desportiva do Nacional, na Choupana, facto que motivou, entre outras coisas, o adiamento do jogo da primeira jornada da I Liga, frente ao Desportivo de Chaves, que será disputado a 04 de setembro.

O jogo entre Nacional e Benfica está marcado para as 20:30 de sábado, com arbitragem de Artur Soares Dias, da Associação de Futebol do Porto.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.