sicnot

Perfil

Desporto

Nacional vai homenagear bombeiros madeirenses no jogo com o Benfica

O jogo de sábado entre o Nacional e o tricampeão Benfica, da terceira jornada da I Liga de futebol, no Estádio da Madeira, na Choupana, vai servir também para homenagear os bombeiros madeirenses.

O Nacional pretende destacar o trabalho dos bombeiros no combate aos incêndios há duas semanas, que assolaram a Região Autónoma da Madeira.

Numa curta nota, o clube madeirense lembra que a receção aos 'encarnados' "será muito mais do que um jogo de futebol".

"Será, acima de tudo, um momento de homenagem a todos os bombeiros da região, que durante largos dias combateram os incêndios que flagelaram a nossa ilha, com um agradecimento particular a todos os que contribuíram para que pessoas e bens ficassem a salvo", pode ler-se na nota enviada pela assessoria de imprensa do clube.

A 'onda' de incêndios na ilha também atingiu as instalações da Cidade Desportiva do Nacional, na Choupana, facto que motivou, entre outras coisas, o adiamento do jogo da primeira jornada da I Liga, frente ao Desportivo de Chaves, que será disputado a 04 de setembro.

O jogo entre Nacional e Benfica está marcado para as 20:30 de sábado, com arbitragem de Artur Soares Dias, da Associação de Futebol do Porto.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.