sicnot

Perfil

Desporto

Maradona diz que abandono de Messi pode ter sido "manobra de diversão"

O argentino Diego Maradona, um dos melhores jogadores da história do futebol, disse hoje que o anúncio da retirada de Lionel Messi da seleção sul-americana, posteriormente cancelada, pode ser ter sido uma "manobra de diversão".

"Não sei se não terá sido uma manobra de diversão para nos distrair das três finais perdidas", disse Maradona à rádio La Red, considerando que Messi, melhor futebolista mundial por cinco vezes (2009, 2010, 2011, 2012 e 2015), "enerva-se com muito pouco".

Para o antigo 'astro' do futebol argentino, Messi não é o principal responsável pelos insucessos da seleção das pampas, assinalando que o avançado do FC Barcelona se "precipitou" ao anunciar o fim da carreira internacional.

Messi, de 29 anos, anunciou em fins de junho o abandono da seleção argentina, depois de ter perdido a final da Copa América para o Chile, mas voltou atrás na decisão e confirmou, a 12 de agosto, que voltará a representar o seu país.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.