sicnot

Perfil

Desporto

Fernando Santos impressionado com o apoio que a seleção recebeu no Porto

​O selecionador nacional, Fernando Santos, mostrou-se impressionado com o apoio manifestado à equipa nacional, no Porto, quase dois meses depois da conquista do título europeu de futebol.

"Quase dois meses depois é impressionante. Mexe muito comigo", disse o selecionador à saída da Câmara do Porto, onde o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, entregou a jogadores e equipa técnica as insígnias da Ordem de Mérito pela vitória no Euro 2016.

A cerimónia culminou com a ida dos jogadores à varanda do edifício municipal para mostrar a taça conquistada em França na final de 11 de julho, em Paris, aos adeptos que encheram a Avenida dos Aliados, mesmo no coração da cidade portuense.

Numa curta declaração aos jornalistas, Fernando Santos falou em "fechar de ciclo", rejeitando no entanto falar das próximas competições em que estará envolvida a seleção portuguesa, nomeadamente o Mundial2018.

"É muito significativo vir aqui à cidade do Porto porque é uma forma de agradecermos a todo Portugal e todos os portugueses, os que estão aqui e os que estão fora porque esta foi uma vitória de Portugal, foi uma vitória nossa. É uma forma de homenagear as gentes do Norte e estou muito agradecido e muito satisfeito por esta multidão que aqui está", referiu.

Milhares de pessoas concentraram-se frente ao edifício da Câmara do Porto para ver os jogadores da seleção que ganhou o Euro2016, conquistando um título há muito desejado pelos portugueses, como disse um dos apoiantes presentes.

"Senti bastante esta vitória, era um desejo já antigo e ainda é uma alegria muito grande para nós porque parece que ainda estamos a acordar de um sonho", contou Paulo Pinto, de 32 anos, que se vestiu com as cores nacionais para ver a equipa na varanda dos paços do concelho e para lhe deixar "um abraço que se prolonga a todos os jogadores".

Também Conceição Pedrosa, 60 anos, se preparou a preceito de verde e vermelho para homenagear hoje no Porto a seleção de Portugal que, disse entusiasta, sempre acompanhou e adora.

Quanto a jogadores, confessou-se fã de Ricardo Quaresma, o jogador atualmente no Besiktas, Turquia, que esteve durante seis temporadas ao serviço do FC Porto.

Lucas, 11 anos, não conseguiu ver os ídolos Cristiano Ronaldo e Renato Sanches, ambos lesionados, mas ficou satisfeito com a presença do avançado Quaresma a quem gostaria um dia de dizer que "joga muito bem".

Também não marcaram presença os campeões europeus Vieirinha e Anthony Lopes numa comitiva lusa foi encabeçada pelo 'capitão' Nani.

A taça conquistada em França tem estado em exposição no Estádio do Bessa, local ao qual regressará e onde se disputará quinta-feira o Portugal-Gibraltar, jogo particular marcado para as 19:45.

Sobre este 'embate' o presidente da Câmara do Porto disse esperar uma grande adesão por parte dos adeptos e desejou "mais jogos oficiais" da equipa portuguesa no Porto.

"Espero que durante este caminho para o Mundial possa haver jogos oficiais da seleção no Porto. Espero que tenhamos essa oportunidade desta vez", referiu o autarca após acompanhar a seleção até à saída do edifício dos Paços do Concelho.

Após o Portugal-Gibraltar, a seleção começa a preparar o embate com a Suíça, da primeira jornada da fase de qualificação para o Mundial2018, em Basileia.

Portugal está inserido no Grupo B juntamente com as seleções da Suíça, Andorra, Ilhas Faroé, Letónia e Hungria.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.