sicnot

Perfil

Desporto

Ceferin quer rever acordo para a Champions que beneficia as grandes federações

O novo presidente da UEFA, o esloveno Aleksander Ceferin, disse esta quarta-feira que a revisão do novo acordo para a Liga dos Campeões em futebol, que beneficia as quatro federações mais poderosas da Europa, será a sua prioridade.

"Sobre a Liga dos Campeões, ainda não fomos devidamente informados. Temos de nos sentar com as 55 federações nacionais para ver qual foi o acordo e o que poderemos fazer no futuro relativamente a ele", indicou Ceferin, em conferência de imprensa.

O dirigente esloveno, que hoje se tornou o sétimo presidente do organismo regulador do futebol europeu, ao vencer o holandês Michael van Praag no Congresso Extraordinário, realizado em Atenas, afirmou mesmo que "será o primeiro assunto" que vai tratar.

Várias federações manifestaram-se contra o acordo anunciado a 26 de agosto pelo Comité Executivo da UEFA para o período 2018-2021, segundo o qual Alemanha, Espanha, Inglaterra e Itália têm assegurados quatro lugares diretos na principal prova continental de clubes.

A "luta contra os resultados combinados, o racismo e a segurança" são algumas das principais 'bandeiras' do programa de candidatura do novo líder da UEFA, que pretende também "reforçar o 'fair-play' financeiro", responsável pela aproximação entre os grandes e os pequenos clubes.

Ceferin considerou que a forma clara como venceu Van Praag, com 42 votos contra 13 do holandês, é um sinal de que o futebol europeu está preparado para "tempos de mudança", antecipando a criação de novos órgãos de controlo dentro da UEFA.

Van Praag encarou a derrota como fazendo "parte do desporto", felicitando o rival esloveno, que "tem os mesmos objetivos".

"Hoje, a democracia falou e respeito-a", disse o presidente da Federação Holandesa de Futebol.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.