sicnot

Perfil

Desporto

Ceferin quer rever acordo para a Champions que beneficia as grandes federações

O novo presidente da UEFA, o esloveno Aleksander Ceferin, disse esta quarta-feira que a revisão do novo acordo para a Liga dos Campeões em futebol, que beneficia as quatro federações mais poderosas da Europa, será a sua prioridade.

"Sobre a Liga dos Campeões, ainda não fomos devidamente informados. Temos de nos sentar com as 55 federações nacionais para ver qual foi o acordo e o que poderemos fazer no futuro relativamente a ele", indicou Ceferin, em conferência de imprensa.

O dirigente esloveno, que hoje se tornou o sétimo presidente do organismo regulador do futebol europeu, ao vencer o holandês Michael van Praag no Congresso Extraordinário, realizado em Atenas, afirmou mesmo que "será o primeiro assunto" que vai tratar.

Várias federações manifestaram-se contra o acordo anunciado a 26 de agosto pelo Comité Executivo da UEFA para o período 2018-2021, segundo o qual Alemanha, Espanha, Inglaterra e Itália têm assegurados quatro lugares diretos na principal prova continental de clubes.

A "luta contra os resultados combinados, o racismo e a segurança" são algumas das principais 'bandeiras' do programa de candidatura do novo líder da UEFA, que pretende também "reforçar o 'fair-play' financeiro", responsável pela aproximação entre os grandes e os pequenos clubes.

Ceferin considerou que a forma clara como venceu Van Praag, com 42 votos contra 13 do holandês, é um sinal de que o futebol europeu está preparado para "tempos de mudança", antecipando a criação de novos órgãos de controlo dentro da UEFA.

Van Praag encarou a derrota como fazendo "parte do desporto", felicitando o rival esloveno, que "tem os mesmos objetivos".

"Hoje, a democracia falou e respeito-a", disse o presidente da Federação Holandesa de Futebol.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão