sicnot

Perfil

Desporto

Presidente da federação alemã desconhecia dinheiro retirado por Beckenbauer

O presidente da Federação Alemã de Futebol (DBF), Reinhard Grindel, admitiu que se sabia que Franz Beckenbauer tinha trabalhado com a Oddset, no âmbito do Mundial2006, mas não que tinha retirado dinheiro.

"Sabíamos que Franz Beckenbauer trabalhou com a Oddset no âmbito do Mundial, mas não tínhamos conhecimento que retirou a soma de 5,5 milhões de euros do orçamento da organização do Mundial de 2006", refere hoje o dirigente em comunicado.

O responsável da Federação declarou ainda que, nestas condições, não se pode dizer que o ex-futebolista trabalhou sem remuneração quando estava à frente do comité organizador, como Beckenbauer sempre defendeu.

De acordo com o jornal online Spiegel o antigo internacional terá na verdade tirado mais de cinco milhões de euros do orçamento e não terá declarado a soma junto das autoridades tributárias.

Ainda segundo o Spiegel, Franz Beckenbauer terá retirado o dinheiro de um donativo de 12 milhões de euros de um dos patrocinadores do Mundial organizado pela Alemanha, a empresa de apostas Oddset.

Entretanto, as autoridades suíças investigam o ex-futebolista e os ex-presidentes da federação alemã Wolfgang Niersbach e Theo Zwanziger, com "alegações de fraude, lavagem de dinheiro, apropriação indevida e gestão danosa".

O caso foi suscitado depois do Spiegel ter reportado em outubro do último ano que foi utilizado um fundo secreto de dez milhões de francos suíços (6,7 milhões de euros) para comprar a organização do Mundial de 2006.

O dinheiro terá vindo de Robert Louis-Dreyfus, antigo patrão da Adidas, a pedido de Beckenbauer, e terá sido entregue em 2000, pouco antes da Alemanha ganhar a organização do Mundial de 2006.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".