sicnot

Perfil

Desporto

João Sousa sofreu mas ganhou

© USA Today Sports / Reuters

João Sousa enfrentou esta sexta-feira dificuldades inesperadas para vencer o tenista esloveno Tom Kocevar-Desman, no play-off de manutenção do Grupo I da zona euro-africana da Taça Davis, ficando longe do seu melhor ténis na dura batalha de três horas.

Teoricamente, a tarefa do principal tenista nacional seria célere, mas como o próprio lembrou, no ténis não há encontros fáceis e esta sexta-feira a premissa cumpriu-se, com o 34.º jogador mundial a precisar de quatro sets, com os parciais de 6-7 (5-7), 7-6 (7-3), 6-2 e 6-1, para bater o modesto Tom Kocevar-Desman e deixar Portugal a liderar por 1-0.

As dúvidas quanto à condição física de João Sousa foram o tema de todas as conversas na antessala da luta pela permanência no Grupo I da zona euro-africana, com o português a desvalorizá-las repetidamente, e hoje, na manhã fria de Viana do Castelo, elas voltaram a assomar.

O número um nacional entrou preso no court do Clube de Ténis de Viana do Castelo, com os seus movimentos a parecerem condicionados pela inflamação no joelho direito, visivelmente 'assinalada' por uma fita adesiva negra, e aquilo que parecia uma tarefa fácil e rápida - afinal, do outro lado da rede estava o 822.º jogador mundial - complicou-se de tal maneira que, diante de um público incrédulo, Tom Kocevar-Desman conquistou o primeiro set.

O cenário impensável consumou-se após uma dura batalha pelo primeiro parcial: quebrado para ficar a perder por 5-6, o 34.º tenista mundial elevou o nível e obrigou o esloveno a salvar quatro break-points, antes de devolver o break para empurrar a decisão para o tie-break, que o adversário ganhou por 7-5, depois de 62 minutos de encontro.

Embalado pela vitória no primeiro set, o esloveno, que demonstrou ter mais recursos do que o ranking indica, agarrou-se com fibra ao segundo parcial, desesperando o vimaranense, que ia protestando com tudo e todos, sem conseguir impor o seu jogo e, assim, assegurar a reviravolta no marcador.

Mas a bagagem de Sousa na Taça Davis ficou em evidência na fase final do segundo set, com o luso, muito apoiado pelo público, a fazer valer a sua experiência para vencer o tie-break por 7-3, decorridas que estavam duas horas de encontro.

O empate no marcador desmoralizou o esloveno, de 26 anos, que, depois de quebrar o serviço do português no primeiro jogo, permitiu o contra-break e um novo break no quarto jogo, para ficar a perder por 3-1.

O 822.º jogador mundial acusou o desgaste dos dois primeiros sets, entregando o terceiro com um novo 'break', que deu a Sousa o 6-2, a liderança no marcador e o ascendente necessário para resolver o primeiro encontro do 'play-off' de manutenção do Grupo I da zona Europa/África.

Em vantagem, o número um nacional soube gerir o esforço e o seu jogo, de modo a quebrar novamente o serviço de Tom Kocevar-Desman no quarto jogo e, outra vez, no sexto, garantindo o triunfo por 6-1 no seu serviço, ao final de três horas e sete minutos de encontro.

Já de seguida, Gastão Elias, segundo tenista nacional, enfrenta Grega Zemlja, o número um esloveno e 158.º mundial, no segundo encontro de singulares da primeira jornada do embate entre Portugal e a Eslovénia, que decorre até domingo, no Clube de Ténis de Viana do Castelo.

Lusa

  • Dois jovens atropelados mortalmente no concelho de Montemor-o-Velho
    2:20
  • Presidente de "O Sonho" suspeito de peculato e fraude
    2:26

    País

    O presidente das três instituições de solidariedade social de Setúbal - incluindo "O Sonho" -, que na sexta-feira foram alvo de buscas, foi constituído arguido. Florival Cardoso é, por enquanto, o único suspeito de peculato e fraude na obtenção de subsídios para as instituições.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07