sicnot

Perfil

Desporto

Bruno de Carvalho diz que Rio Ave mereceu vitória

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, assumiu esta segunda-feira que o Rio Ave mereceu vencer o jogo contra os leões, garantindo que está orgulhoso com o futebol da equipa liderada por Jorge Jesus que fez tremer o Santiago Bernabéu.

"Depois de fazer tremer o Santiago Bernabéu, um jogo menos conseguido onde uma primeira parte com 15 minutos de desconcentração coletiva ditou uma inesperada derrota. O Rio Ave, pela eficácia nesses 15 minutos, mereceu vencer", disse Bruno Carvalho, numa mensagem publicada no Facebook.

O Sporting perdeu no domingo os primeiros pontos no campeonato, ao ser derrotado na deslocação ao terreno do Rio Ave por 3-1, em jogo da quinta jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Bruno de Carvalho defendeu que na primeira parte em Vila do Conde "tudo correu mal", deixando elogios aos adeptos presentes no estádio que apoiaram a equipa "do primeiro ao último minuto".

O presidente do Sporting, que considerou que a equipa de arbitragem fez um "bom trabalho", reafirmou o seu orgulho na equipa orientada por Jorge Jesus.

"Quero reafirmar publicamente o orgulho de ser presidente do Sporting Clube de Portugal com um futebol liderado pelo treinador Jorge Jesus, com toda a sua equipa técnica e staff e com um conjunto de atletas onde, cada um deles e sem exceção, todos juntos, fazem um plantel de qualidade, técnica e humana, excecional", defendeu.

Bruno de Carvalho referiu que a equipa, agora, deve estar focada na partida frente ao Estoril-Praia, e apelou à presença dos adeptos no jogo que se vai disputar na sexta-feira, no estádio José Alvalade.

"Agora é hora de voltar ao trabalho e deixar falar os arautos da desgraça. O Estoril é o próximo adversário e a nossa atenção e foco já só estão aí. Sexta-feira vamos encher Alvalade", concluiu.

Lusa

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06