sicnot

Perfil

Desporto

"Eu sei que alguns Einsteins do futebol tentam apagar 16 anos da minha carreira"

O treinador português José Mourinho apontou aquilo que diz serem os "Einsteins do futebol" e referiu que os que o criticam "tentam apagar 16 anos" da sua carreira como técnico de futebol.

Em causa estão as críticas de que o treinador do Manchester United tem sido alvo, pelas três derrotas seguidas sofridas: em casa com o rival Manchester City (2-1), fora com o Watford (3-1), ambas na liga inglesa, e com o Feyenoord (3-1), na Liga Europa.

Resultados negativos a que se seguiu um triunfo frente ao modesto Northampton Town, na quarta-feira (3-1), na Taça da Liga Inglesa.

"Eles tentam apagar uma história incrível do Manchester United e focam-se numa semana má, com três maus resultados. Mas isto é o novo futebol. Está cheio de Einsteins", reiterou o português, considerado por muitos o melhor treinador do mundo.

Mourinho, que conquistou duas Ligas dos Campeões (com FC Porto e Inter de Milão) e foi campeão em Portugal (FC Porto), Inglaterra (Chelsea), Itália (Inter de Milão) e Espanha (Real Madrid), foi na última época afastado do comando do Chelsea.

Após a sua saída, em dezembro, o técnico esteve parado, até assumir este verão o comando do Manchester United, o clube com mais títulos na liga inglesa, naquela que é a segunda experiência do português em Inglaterra, onde apenas treinara o Chelsea.

"Compreendo perfeitamente a deceção dos adeptos, se estiverem dececionados com a última semana", disse ainda José Mourinho, acrescentando que no regresso a Old Trafford, sábado, frente ao campeão Leicester, os adeptos estarão, como sempre estiveram, com a equipa.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras