sicnot

Perfil

Desporto

HRW pede à FIFA que pare jogos nos colonatos israelitas na Cisjordânia

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) pediu hoje à FIFA o fim da realização de jogos de futebol nos colonatos israelitas na Cisjordânia, em que os palestinianos são excluídos.

"A FIFA está a patrocinar jogos em colonatos israelitas na Cisjordânia, em territórios ilegalmente retirados aos palestinianos", concluiu uma investigação da organização não-governamental (ONG).

Num comunicado, a HRW afirma que os colonatos judeus representam uma violação dos direitos humanos e pede à Federação Internacional de Futebol (FIFA) que pressione a sua afiliada, a Associação de Futebol de Israel, para deslocar para Israel "todos os jogos e atividades" que apoia.

Em causa estão seis clubes israelitas que funcionam nos colonatos na Cisjordânia - ocupada por Israel há 50 anos - e onde é interdita a entrada da população palestiniana.

"Ao realizar jogos em terras roubadas, a FIFA está a manchar a bela modalidade do futebol", considera Sari Bashi, o diretor da HRW para Israel e a Palestina.

O responsável recorda, na nota, que a FIFA tem uma nova liderança e fez, este ano, "novos compromissos em relação aos direitos humanos" e "realizar atividades nos colonatos é incompatível" com estes compromissos.

"A FIFA deve tomar a iniciativa de mostrar um cartão vermelho aos clubes dos colonatos e insistir para que a Associação de Futebol de Israel jogue de acordo com as regras", defende o responsável.

Os clubes oferecem serviços aos israelitas, mas os cerca de 2,5 milhões de palestinianos da Cisjordânia -- à exceção de trabalhadores com autorizações especiais -- não podem entrar nos colonatos e, assim, são impedidos de participar, integrar as equipas ou mesmo assistir aos jogos como espetadores.

A FIFA, apesar de ser uma organização sem fins lucrativos, "está envolvida em atividades comerciais substanciais" no âmbito da indústria do futebol profissional, que gera receitas de 33 mil milhões de dólares por ano.

A organização refere no comunicado que "os colonatos são ilegais à luz da lei humanitária internacional, porque a transferência da população civil do poder ocupador no território ocupado viola a quarta Convenção de Genebra e é um crime de guerra", acrescentando que os colonatos são construídos em terras retiradas aos palestinianos.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.