sicnot

Perfil

Desporto

Sporting não vai recorrer do castigo a Jorge Jesus na Liga dos Campeões

O Sporting revelou esta sexta-feira que não irá recorrer do castigo imposto pela UEFA ao treinador Jorge Jesus, o que implica que o treinador não possa estar no jogo da Liga dos Campeões de futebol frente ao Borussia Dortmund.

"Não existe tempo útil para interpor recurso deste castigo ridículo uma vez que este procedimento não tem efeito suspensivo, na medida em que o nosso treinador nunca estaria no banco neste importante jogo com o Borussia Dortmund", refere o departamento de comunicação do clube numa nota na rede social Facebook.

Jorge Jesus, que foi expulso no jogo da primeira jornada do grupo F, em casa do Real Madrid (2-1), falhou já o encontro da segunda ronda, em que os 'leões' venceram em casa os polacos do Legia de Varsóvia.

Na terceira jornada o Sporting recebe a 18 de outubro o Borussia Dortmund. O grupo é liderado por Real Madrid e Dortmund, ambos com quatro pontos, seguidos pelo Sporting, com três, e o Legia, sem qualquer ponto.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.