sicnot

Perfil

Desporto

João Loureiro abandona a SAD do Boavista

João Loureira abandona a direção da SAD do Boavista. O até agora presidente da SAD sai por questões de "natureza pessoal relacionadas com a sua saúde". Num comunicado divulgado nas redes sociais o clube avança que Vítor Murta, até então vice-presidente, passará a ocupar o lugar de João Loureiro.

O clube diz que a decisão foi apoiada por unanimidade em Reunião de Direcção na qual tiveram assento os Presidentes dos demais Órgãos Estatutários do Boavista.

Para além do motivos pessoais o Boavista acrescenta que outras razões de natureza institucional e estratégica levaram à solução agora adoptada:

"- A possibilidade de o Presidente da Direcção se concentrar mais fortemente na resolução de alguns dossiers de fundo que permitam a consolidação e crescimento sustentado do Boavista Futebol Clube e Grupo Boavista, designadamente a continuação do cumprimento dos compromissos assumidos e atracção de investimento.
- A prevista e necessária renovação da estrutura da Boavista F.C., Futebol, SAD, a ocorrer após a conseguida consolidação da mesma como instituição participante na 1ª Liga Nacional."

João Loureiro agradece todas as demonstrações de apoio e garante que vai continuar a "trabalhar afincadamente" para que o clube continue com estabilidade e atinja os seus objectivos.


  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.