sicnot

Perfil

Desporto

João Sousa mantém 34.º lugar no ranking mundial

© Aly Song / Reuters

O tenista português João Sousa, afastado esta semana nos quartos de final do torneio de Tóquio, mantém o 34.º posto da classificação mundial, que continua a ser liderada pelo sérvio Novak Djokovic.

Na segunda posição, mantém-se o britânico Andy Murray, que reduziu a distância para Djokovic, embora ainda a 3.695 pontos, depois de no domingo ter vencido o Open da China, ao bater na final o búlgaro Grigor Dimitrov.

O japonês Kei Nishikori ocupa a quarta posição, igualando a sua melhor classificação de sempre, atrás do suíço Stan Wawrinka, terceiro classificado.

O espanhol Rafael Nadal desceu ao quinto lugar, por troca com Nishikori, que já tinha ocupado o quarto posto da classificação mundial em março de 2015.

Em femininos, a alemã Angelique Kerber continua a liderar o ranking, com uma vantagem de 1.340 pontos sobre a norte-americana Serena Williams.

A polaca Agnieszka Radwanska mantém terceira posição, à qual ascendeu na semana passada, enquanto a romena Simona Halep subiu ao quarto posto, que era ocupado pela espanhola Garbine Muguruza, atual sexta.

A número um portuguesa, Michelle Larcher de Brito, desceu uma posição, do 225.º para o 226.º lugar.

Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.