sicnot

Perfil

Desporto

Esquiadora olímpica portuguesa Camille Dias termina carreira

A esquiadora, de 20 anos, residente na Suíça, participou nos Jogos Olímpicos Sochi2014, na Rússia, onde terminou a prova de 'slalom' em 40.º lugar e o 'slalom' gigante na 59.ª posição. (Arquivo)

© Leonhard Foeger / Reuters

Camille Dias, representante portuguesa nos Jogos Olímpicos de Inverno Sochi2014, terminou a carreira desportiva, revelou esta terça-feira à agência Lusa o seleccionador nacional de esqui, Sérgio Figueiredo.

"A Camille, por motivos pessoais e profissionais, abandonou, acabou a carreira desportiva. Já não vai participar nos próximos Jogos Olímpicos de Pyeongchang2018, na Coreia do Sul. Pode, eventualmente, fazer esqui recreativo, mas a competição, abandonou", informou o técnico nacional.

A esquiadora, de 20 anos, residente na Suíça, participou nos Jogos Olímpicos Sochi2014, na Rússia, onde terminou a prova de 'slalom' em 40.º lugar e o 'slalom' gigante na 59.ª posição.

Na Rússia, Portugal esteve representado por dois atletas de esqui alpino, ambos lusodescendentes residentes no estrangeiro.

Camille Dias, tal como Arthur Hanse, foi até junho apoiada através da Bolsa de Solidariedade Olímpica, comissão do Comité Olímpico Internacional (COI).

A esquiadora, nascida na Suíça, é filha de pai português e mãe helvética.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".