sicnot

Perfil

Desporto

Etapa de Peniche do circuito mundial de surf em dia de espera

A etapa portuguesa do circuito mundial de surf cumpre hoje um dia de espera na competição, na praia de Supertubos, em Peniche, depois de terem sido conferidas as condições do mar em três ocasiões.

A organização do Meo Rip Curl Pro Portugal, da 10.ª e penúltima etapa do circuito, decidiu não retomar a prova em nenhuma das três chamadas realizadas, às 07:50, 12:30 e 13:30, agendando um possível reinício para quinta-feira, a partir das 08:00, com a segunda eliminatória.

As primeiras baterias da repescagem vão contar com os três primeiros do 'ranking' mundial, casos do havaiano John John Florence, o brasileiro Gabriel Medina e o australiano Matt Wilkinson, frente ao 'wild-card' português Miguel Blanco, ao australiano Ryan Callinan e ao francês Jeremy Flores, respetivamente.

Na terça-feira foi disputada integralmente a primeira ronda, na qual se qualificaram diretamente para a terceira eliminatória o 'wild-card' português Frederico Morais, o sul-africano Jordy Smith, os norte-americanos Kelly Slater e Kolohe Andino, os australianos Joel Parkinson, Kai Otton e Josh Kerr, os brasileiros Jadson André, Miguel Pupo, Wiggolly Dantas, Adriano de Souza e Italo Ferreira.

John John é o único com possibilidades de conquistar o título mundial nas ondas portuguesas, necessitando de vencer o Meo Rip Curl Pro Portugal e que Medina não consiga melhor do que o nono lugar, correspondendo a uma eliminação nos quartos de final ou antes.

O havaiano pode ainda chegar ao título se for finalista em Peniche, Medina não passe a terceira ronda, Wilkinson não chegue às meias-finais e Smith à final.

O período de espera do Meo Rip Curl Pro Portugal prolonga-se até dia 29 de outubro.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC