sicnot

Perfil

Desporto

Simeone vai treinar o Atlético de Madrid até 2018, garante diretor-executivo

© Michaela Rehle / Reuters

O diretor-executivo do clube de futebol espanhol Atlético de Madrid, Miguel Ángel Gil Marín, garantiu esta terça-feira que o técnico argentino Diego Simeone vai continuar a treinar a equipa principal do clube até 2018.

"Creio que sim [sobre a continuidade de Simeone]. Esta temporada e a que vem, com certeza. E espero que muitas mais, leva cinco anos connosco e o razoável é que faça mais", disse Ángel Gil Marin ao programa televisivo espanhol La Sexta.

Simeone, de 46 anos, está à frente dos destinos da equipa desde dezembro de 2011, tendo conseguido ser finalista vencido em duas edições da Liga dos Campeões (2014 e 2016), tendo no palmarés a conquista da Liga espanhola, em 2013/2014, da Liga Europa (2012) e da Supertaça Europeia (2012), entre outros títulos.

O técnico argentino, que representou o clube como jogador entre 1994 e 1997, assinou recentemente um novo contrato com os 'rojiblancos', que dura até junho de 2018.

"Foi uma bênção para Simeone e para nós estarmos juntos neste período da historia do clube, continuamos a crescer e o mais inteligente para as duas partes é continuar muito mais anos juntos", acrescentou Gil Marín.

O Atlético de Madrid, revelou ainda responsável, vai poder jogar o primeiro jogo caseiro da próxima temporada no novo estádio, o Wanda Metropolitano.

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.