sicnot

Perfil

Desporto

Governo congratula-se com "distinção ímpar" a Cristiano Ronaldo

© Ruben Sprich / Reuters

O Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e o secretário de Estado da Juventude e do Desporto (SEJD), João Paulo Rebelo, congratularam-se esta segunda-feira com a "distinção ímpar" atribuída pela FIFA a Cristiano Ronaldo como melhor futebolista de 2016.

"Este reconhecimento é a coroa de glória de um ano que, do ponto de vista desportivo, levou o nome de Portugal mais alto do que nunca. Um, apenas um, desses momentos foi a conquista, pela seleção nacional de futebol, do título de campeã europeia", pode ler-se na nota conjunta emitida hoje à comunicação social pelo Ministério da Educação e pela SEJD, na qual se acrescenta que o país "está orgulhoso e se ergue perante as qualidades desportivas de um futebolista reconhecido, com inteira justiça, mundialmente".

Os dois governantes consideram que para o título europeu conquistado pela equipa das 'quinas' em França foi "absolutamente fundamental a garra, a determinação, a perseverança e a crença em Portugal de Cristiano Ronaldo", cujas qualidades destacam, "não só porque são a pedra basilar do desporto como são os melhores exemplos para as novas gerações, em particular para as novas gerações de desportistas".

Para o Ministério da Educação e para a SEJD, Cristiano Ronaldo, eleito pela FIFA melhor jogador do mundo 2016, "representa simultaneamente uma inspiração e um desafio para a prossecução de políticas que contribuam para um panorama desportivo nacional cada vez mais forte e dignificante".

Na mesma nota, é deixada também uma palavra de "grande e permanente reconhecimento a Fernando Santos", um dos três nomeados pela FIFA para o prémio de melhor treinador do mundo 2016, "cujo trabalho sério, empenhado e resiliente, na atitude e na ação, tanto tem contribuído para um Portugal desportivamente maior".

Lusa

  • "É abusivo falar de fuga ao fisco"
    4:10

    Economia

    Dez mil milhões de euros é o valor de que se fala das transferências para contas offshore, que terão escapado à Autoridade Tributária. O número impressiona, mas é preciso notar que este dinheiro é capital que sai do país e o capital não está sujeito ao pagamento de imposto só porque sai do país. O fiscalista Tiago Caiado Guerreiro esteve no Jornal da Noite para dar mais explicações sobre o caso.