sicnot

Perfil

Desporto

Berti Vogts "horrorizado" com alargamento do Mundial

© Murad Sezer / Reuters

Berti Vogts, antigo selecionador da Alemanha, manifestou-se hoje "horrorizado" com o alargamento do Mundial de futebol de 32 para 48 seleções, a partir de 2026, deixando muitas críticas à FIFA.

Vogts, que orientou a seleção germânica entre 1990 e 1998, disse à revista alemã Kicker que estava "completamente horrorizado" com esta decisão "incrível" da FIFA.

"Se pretendem acabar com o Mundial, então que sigam esse caminho. Não entendo. Está já não é o meu Mundial", disse Vogts, que se sagrou campeão mundial pela ex-RFA, como jogador, em 1974.

Uwe Seller, outro antigo jogador da seleção alemã, também se manifestou contra a ampliação, mostrando o mesmo exemplo seguido para o Campeonato da Europa como "algo que não faz bem ao futebol".

"Vai tornar-se num aborrecimento e algo que não faz bem ao futebol, como se viu no (último) Europeu (em França, que Portugal venceu). Era claro que a proposta ia passar para permitir encaixar mais dinheiro", avaliou o antigo jogador.

O Conselho da FIFA, órgão que substituiu o Comité Executivo, aprovou hoje, por unanimidade, o alargamento da fase final do Mundial, a partir de 2026, para 48 seleções.

A primeira fase da competição vai contar com 16 grupos, de três equipas cada, com as duas primeiras a classificarem-se para a fase seguinte, entrando então num sistema de eliminatórias a partir dos 16 avos de final.

Com este novo formato, o Mundial passará dos atuais 64 jogos para 80, mas continuará a disputar-se durante 32 dias, como sucede atualmente.

Lusa

  • Morreu o companheiro de Nelson Mandela

    Mundo

    Ahmed Kathrada, activista e ícone sul-africano que lutou ao lado de Mandela contra o "apartheid" morreu hoje aos 87 anos, informou a fundação de caridade Kathrada.

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23
  • Vidas Suspensas: Delfim 353
    29:30
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.