sicnot

Perfil

Desporto

Infantino diz que alargamento do Mundial é questão desportiva e não económica

© Arnd Wiegmann / Reuters

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, reiterou esta quarta-feira que o alargamento do Mundial de futebol de 32 para 48 seleções, a partir de 2026, "é uma decisão futebolística e não económica".

"Não é uma decisão económica, antes pelo contrário, é uma decisão puramente futebolística. Todos os formatos têm vantagens do ponto de vista financeiro, mas estamos numa situação cómoda para tomar uma decisão baseada em questões desportivas", afirmou Infantino, em entrevista à BBC.

Infantino referiu ainda que a decisão tomada na terça-feira pelo Conselho da FIFA, por unanimidade, "é uma mudança histórica", que levará o futebol "em pleno ao século XXI".

A partir de 2026, a competição vai contar com 16 grupos, de três equipas cada, com as duas primeiras a classificarem-se para a fase seguinte, entrando então num sistema de eliminatórias a partir dos 16 avos de final.

Com este novo formato, o Mundial passará dos atuais 64 jogos para 80, mas continuará a disputar-se durante 32 dias, como sucede atualmente.

Segundo a FIFA, entre os principais objetivos da decisão de aumentar o número de espetadores em várias regiões do mundo, nomeadamente em países que até agora não tem conseguido qualificar-se para a fase final da competição.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41