sicnot

Perfil

Desporto

Infantino diz que alargamento do Mundial é questão desportiva e não económica

© Arnd Wiegmann / Reuters

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, reiterou esta quarta-feira que o alargamento do Mundial de futebol de 32 para 48 seleções, a partir de 2026, "é uma decisão futebolística e não económica".

"Não é uma decisão económica, antes pelo contrário, é uma decisão puramente futebolística. Todos os formatos têm vantagens do ponto de vista financeiro, mas estamos numa situação cómoda para tomar uma decisão baseada em questões desportivas", afirmou Infantino, em entrevista à BBC.

Infantino referiu ainda que a decisão tomada na terça-feira pelo Conselho da FIFA, por unanimidade, "é uma mudança histórica", que levará o futebol "em pleno ao século XXI".

A partir de 2026, a competição vai contar com 16 grupos, de três equipas cada, com as duas primeiras a classificarem-se para a fase seguinte, entrando então num sistema de eliminatórias a partir dos 16 avos de final.

Com este novo formato, o Mundial passará dos atuais 64 jogos para 80, mas continuará a disputar-se durante 32 dias, como sucede atualmente.

Segundo a FIFA, entre os principais objetivos da decisão de aumentar o número de espetadores em várias regiões do mundo, nomeadamente em países que até agora não tem conseguido qualificar-se para a fase final da competição.

Lusa

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.