sicnot

Perfil

Desporto

Burkina Faso, do português Paulo Duarte, empata com Camarões na CAN

© Mike Hutchings / Reuters

O Burkina Faso, treinado pelo português Paulo Duarte, empatou este sábado 1-1 com os Camarões, no segundo encontro do grupo A da Taça das Nações Africanas (CAN) de futebol, repetindo o resultado do jogo inaugural, entre Guiné-Bissau e Gabão.

Os Camarões, que já venceram a competição em quatro ocasiões, adiantaram-se no marcador aos 35 minutos por Moukandjo, tendo a equipa de Paulo Duarte chegado ao empate por intermédio de Dayo, aos 75.

Após a primeira jornada, todas as equipas do grupo A somam um ponto, depois de no jogo inaugural o Gabão, anfitrião da prova, e a Guiné-Bissau terem empatado também a um golo.

No jogo de abertura da competição, Juary Soares, defesa-central do Mafra, marcou o primeiro golo da Guiné-Bissau numa CAN, já em período de compensação (90+1 minutos), e anulou a vantagem do Gabão, depois de o avançado Aubameyang ter inaugurado o marcador, aos 52 minutos.

Na próxima jornada, agendada para quarta-feira, os Camarões vão defrontar a Guiné-Bissau, enquanto o Gabão defronta o Burkina Faso.

A competição prossegue no domingo com a realização dos dois encontros da primeira jornada do grupo B, que oporão a Argélia ao Zimbabué e a Tunísia ao Senegal.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.