sicnot

Perfil

Desporto

Real Madrid, Barcelona e Juventus aliam-se em campanha contra a discriminação

© Juan Medina / Reuters

O Real Madrid, o FC Barcelona e a Juventus juntaram-se esta terça-feira à UNESCO para apoiarem a campanha contra a discriminação no futebol "Sem respeito não há jogo".

No âmbito da campanha, que termina no final do campeonato espanhol, vão começar a realizar-se palestras educativas, a partir de fevereiro, para mais de 10.000 crianças entre os 10 e 12 anos, em 200 escolas de Espanha.

A campanha foi apresentada pelos presidentes dos três clubes, Florentino Pérez, do Real Madrid, Josep María Bartomeu, do FC Barcelona e Andrea Agnelli, da Juventus e pela subdiretora geral de Ciências Sociais e Humanas da UNESCO, Nada Al-Nashif.

O objetivo é "educar as crianças que a abordagem ao futebol deve ser séria, positiva e respeitadora perante os outros", conforme explicou o presidente do clube italiano, Agnelli.

Bartomeu definiu "as atitudes xenófobas ou homofóbicas" como "uma construção mental, cultural e política" que muito preocupa os clubes, cuja responsabilidade é, segundo o presidente do 'Barça', "trabalhar e colaborar para ajudar a que se aceite que cada jogador tem as suas qualidades e que a cor da pele não importa".

O presidente do Real Madrid, Florentino Pérez, defendeu que "é imprescindível que o futebol se mantenha unido e firme, pois no desporto não há espaço para os radicais e intransigentes".

"O desporto tem o poder de lutar contra a discriminação e a desigualdade e promover a tolerância", sublinhou Nada Al-Nashif.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.