sicnot

Perfil

Desporto

Inventor do doping mecânico admite que ciclistas podem recorrer a motores desde 1998

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

Istvan Varjas, o engenheiro húngaro considerado o cérebro da invenção do doping mecânico, disse esta sexta-feira acreditar que os ciclistas profissionais recorrem a essa forma de "dopagem" desde 1998.

Num segmento do programa "60 Minutes", da cadeia norte-americana CBS, que irá para o ar no domingo, Varjas revela que, em 1998, desenhou um motor para caber dentro do quadro de uma bicicleta, que foi comprado por um anónimo por dois milhões de dólares (cerca de 1,871 milhões de euros).

O acordo, com o comprador anónimo, incluía também uma cláusula que obrigava o engenheiro húngaro a não trabalhar em novos modelos de motores, falar sobre eles ou vendê-los durante dez anos. Varjas reconheceu que pensa que a sua "criação" foi usada para fazer "batota" em provas de ciclismo, mas negou ter responsabilidade na disseminação do doping mecânico.

No mesmo programa, o norte-americano Greg LeMond, três vezes vencedor da Volta a França, exigiu maior controlo por parte das entidades responsáveis do ciclismo."Isto é curável, é solucionável. Não vou confiar até descobrirem como tirar o motor da bicicleta. Não confiarei em qualquer vitória na Volta a França", disse LeMond.

Em dezembro, em entrevista ao diário francês Le Monde, Varjas revelou que uma grande investigação televisiva pode apresentar, em breve, mais detalhes sobre o doping mecânico ou "fraude tecnológica", como é apelidada pela União Ciclista Internacional (UCI).

De acordo com o engenheiro húngaro, a investigação poderia ser emitida em janeiro, com o diário francês a arriscar que as novas revelações podem causar um "terramoto" tão grande como o "affaire" Festina, o primeiro caso conhecido de um esquema de dopagem organizado, que 'parou' a Volta a França de 1998.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.