sicnot

Perfil

Desporto

Mo Farah ausente da meia-maratona de Lisboa devido à política de imigração de Trump

Atleta Mo Farah

© Alessandro Bianchi / Reuters

O atleta britânico de origem somali Mo Farah, bicampeão olímpico dos 5.000 e 10.000 metros, decidiu não participar na meia-maratona de Lisboa, agendada para 19 de março, por receio de não poder regressar aos Estados Unidos, onde vive.

"O Mo Farah, que está a fazer um estágio em altitude na Etiópia, ia ser a cabeça de cartaz da prova. Infelizmente, quando estávamos a negociar, teve conhecimento de que poderia não ser autorizado a regressar aos Estados Unidos devido à nova legislação", explicou o presidente do Maratona Clube de Portugal, organizador da prova.Segundo Carlos Móia, "apesar de agora os problemas poderem estar a ser ultrapassados, numa primeira fase, o atleta ficou transtornado, não se sentia bem psicologicamente e acabou por desistir".

Desde 27 de janeiro que vigora nos Estados Unidos um decreto-lei sobre a proteção da nação contra a entrada de terroristas estrangeiros, que proíbe durante 90 dias a entrada de cidadãos de sete países considerados de risco por Washington: Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen.

Mo Farah, de 33 anos, já manifestou a sua indignação contra o decreto-lei promulgado pelo presidente norte-americano Donald Trump, afirmando que se sentia "um extraterrestre".

"A 01 de janeiro deste ano, sua majestade a Rainha [de Inglaterra] fez-me Cavaleiro do Reino. A 27 de janeiro, o presidente Donald Trump parece ter-me tornado num extraterrestre", escreveu Mo Farah, no domingo, na sua página na rede social Twitter.

O atleta, que venceu a meia-maratona de Lisboa em 2015, considerou que a política de Donald Trump é contrária "aos ideais de compaixão e compreensão e promove o ódio e o isolacionismo".

"Sou um cidadão britânico, que viveu na América nos últimos seis anos -- trabalhando duro, contribuindo para a sociedade, pagando os meus impostos e fazendo crescer as nossas quatro crianças num lugar ao qual agora chamam casa. Agora, a mim e outros como eu, está-nos a ser dito que se calhar não somos bem-vindos", lamentou ainda o atleta.

Lusa

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".