sicnot

Perfil

Desporto

Mo Farah ausente da meia-maratona de Lisboa devido à política de imigração de Trump

Atleta Mo Farah

© Alessandro Bianchi / Reuters

O atleta britânico de origem somali Mo Farah, bicampeão olímpico dos 5.000 e 10.000 metros, decidiu não participar na meia-maratona de Lisboa, agendada para 19 de março, por receio de não poder regressar aos Estados Unidos, onde vive.

"O Mo Farah, que está a fazer um estágio em altitude na Etiópia, ia ser a cabeça de cartaz da prova. Infelizmente, quando estávamos a negociar, teve conhecimento de que poderia não ser autorizado a regressar aos Estados Unidos devido à nova legislação", explicou o presidente do Maratona Clube de Portugal, organizador da prova.Segundo Carlos Móia, "apesar de agora os problemas poderem estar a ser ultrapassados, numa primeira fase, o atleta ficou transtornado, não se sentia bem psicologicamente e acabou por desistir".

Desde 27 de janeiro que vigora nos Estados Unidos um decreto-lei sobre a proteção da nação contra a entrada de terroristas estrangeiros, que proíbe durante 90 dias a entrada de cidadãos de sete países considerados de risco por Washington: Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen.

Mo Farah, de 33 anos, já manifestou a sua indignação contra o decreto-lei promulgado pelo presidente norte-americano Donald Trump, afirmando que se sentia "um extraterrestre".

"A 01 de janeiro deste ano, sua majestade a Rainha [de Inglaterra] fez-me Cavaleiro do Reino. A 27 de janeiro, o presidente Donald Trump parece ter-me tornado num extraterrestre", escreveu Mo Farah, no domingo, na sua página na rede social Twitter.

O atleta, que venceu a meia-maratona de Lisboa em 2015, considerou que a política de Donald Trump é contrária "aos ideais de compaixão e compreensão e promove o ódio e o isolacionismo".

"Sou um cidadão britânico, que viveu na América nos últimos seis anos -- trabalhando duro, contribuindo para a sociedade, pagando os meus impostos e fazendo crescer as nossas quatro crianças num lugar ao qual agora chamam casa. Agora, a mim e outros como eu, está-nos a ser dito que se calhar não somos bem-vindos", lamentou ainda o atleta.

Lusa

  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.