sicnot

Perfil

Desporto

"Ainda não consegui ver a final do Euro2016"

O futebolista internacional francês Antoine Griezmann revelou que ainda não consegue ver as finais perdidas no último ano, entre as quais a do Euro2016, que Portugal venceu no prolongamento (1-0).

"Há algo que tenho de dizer: vi todos os jogos da Liga dos Campeões e do Euro2016 novamente, mas parei nas meias-finais", explicou o jogador em entrevista à FIFA, em alusão às finais perdidas por Atlético do Madrid e França.

Em maio de 2016, Griezmann perdeu, ao serviço dos 'colchoneros', a final da 'Champions' com o rival Real Madrid, no desempate por grandes penalidades, e em julho, no Europeu organizado pela França, a final frente a Portugal.

"Tivemos um pouco de azar. Tínhamos feito um bom Mundial [Notes:chegaram aos quartos de final] e estávamos perto da perfeição no Europeu, mas Portugal defendeu muito bem na final e marcaram praticamente na única hipótese que tiveram", justificou.

As derrotas não impedem Griezmann de ter grandes memórias do último ano, apesar de admitir que as finais perdidas são a "maior deceção" da sua carreira, mas que o objetivo é estar novamente numa final e do lado vencedor.

Os desaires deixaram também aspetos positivos, com o avançado do Atlético de Madrid a lembrar que foram as suas primeiras finais, mas que continua a sentir-se motivado para um dia ser ele a levantar o troféu, algo que tem sempre dificuldade em ver nos outros.

"Não conseguia ver as outras equipas a levantar troféus. Isso aconteceu com o Real Madrid na Liga dos Campeões. No Euro2016 foi diferente, vi a celebração portuguesa porque disse a mim mesmo que da próxima será a minha vez, não poderá existir maior motivação do que essa", adiantou.

Na entrevista à FIFA, Griezmann deixou elogios ao seu treinador no Atlético de Madrid, o argentino Diego Simeone, dizendo que não estaria nos melhores do mundo se não fosse por ele, e revelando as palavras do técnico na final da 'Champions'.

O jogo terminou empatado nos 90 minutos e Griezmann tinha falhado uma grande penalidade, aos 48."Disse algo muito importante para mim, eu sentia que a culpa era minha por ter falhado o penálti. EleSimeone] chegou ao pé de mim e disse que o contrário era verdade, que eu era fundamental para a equipa e que não me preocupasse com isso", rematou.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.