sicnot

Perfil

Desporto

Turquia vai candidatar-se à organização do Euro 2024

A Turquia vai candidatar-se à organização do Campeonato da Europa de futebol de 2024, anunciou esta quarta-feira o presidente da federação turca (TFF), Yildirim Demirören.

"Desejo que a nossa candidatura seja bem-sucedida. A Turquia vai apresentar a sua candidatura em 02 de março", disse o líder da TFF, em conferência de imprensa, ao lado de ministro do Desporto, Akif Çagatay Kilic.

A Turquia tinha ponderado candidatar-se à organização do Euro2020, mas, após a decisão de disputar a competição em 13 cidades, preferiu focar-se na candidatura à edição de 2024.

O ministro do Desporto garantiu que o país está agora dotado das infraestruturas necessárias para acolher um evento da dimensão de um Europeu, "ao nível das estradas, aeroportos e pontes".

Desde a chegada ao poder, em 2003, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, avançou para a modernização de uma série de infraestruturas, no âmbito do projeto "Objetivo 2023", um plano que visa juntar o país ao grupo dos mais ricos do mundo.

No entanto, a Turquia terá de convencer a UEFA no que respeita à segurança no país, afetado por vários atentados perpetrados por jihadistas e curdos. Em julho de 2016, houve também uma tentativa de golpe de Estado.

Nesta 'corrida', a Turquia deverá ter como principal adversário a Alemanha, que já deu a entender que pretende utilizar as infraestruturas erguidas para o Mundial2006.

Eventualmente, poderá também avançar uma candidatura conjunta dos países escandinavos.Caso a Turquia convença a UEFA, que tomará uma decisão em setembro de 2018, este será o maior evento desportivo organizado pelo país, que já concorreu por três vezes à organização de um Europeu.

A derrota de Istambul para Tóquio para a organização dos Jogos Olímpicos de 2020 foi encarada como um revês traumático e uma humilhação para o governo liderado por Erdogan.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.