sicnot

Perfil

Desporto

Sérgio Grilo suspenso por dois anos por tentativa de corrupção desportiva na II Liga

O futebolista Sérgio Grilo, atualmente jogador da Naval, foi punido com uma suspensão de dois anos e o pagamento de 1.500 euros, num caso de corrupção desportiva, anunciou hoje a Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

A decisão da secção não profissional do Conselho de Disciplina da FPF, passível de recurso para o Conselho de Justiça ou Tribunal Arbitral do Desporto, refere-se a um caso ocorrido em 2012.

O defesa, de 34 anos, incorria numa pena de um a quatro anos de suspensão e uma multa que podia oscilar entre os 750 e 12.500 euros.

A situação diz respeito à época de 2012/13, quando Sérgio Grilo era jogador do Nogueirense e, segundo o acórdão, contactou um outro futebolista, Manuel Godinho, da Naval, convidando-o a "provocar um penálti e/ou ser expulso" de modo a facilitar a vitória do Moreirense, em jogo da II Liga.

De acordo com a acusação Sérgio Grilo, terá prometido, "em troca desse comportamento, o pagamento de 5.000 euros", uma situação que o acusado negou, dizendo que falaram sobre o "estado das referidas equipas".

O futebolista disse, em sede disciplinar, ser "falso que tenha tentado corromper o jogador Manuel Godinho", mas quando interrogado pela Polícia Judiciária, diz o acórdão, assumiu a responsabilidade dos factos.

"Assume a prática dos factos e refere estar totalmente arrependido dos mesmos, afirmando que os mesmos resultaram de uma atitude totalmente irrefletida", refere hoje a nota do CD em relação ao depoimento junto da PJ.

O acórdão diz ainda não ter ficado provado que o arguido tenha agido "por solicitação de algum responsável do Moreirense".

Lusa

  • Alemães protestam contra a Extrema-Direita
    0:39
  • Incêndio urbano em Coimbra deixa cinco pessoas desalojadas

    País

    Um incêndio numa habitação na cidade de Coimbra deixou este domingo cinco pessoas desalojadas, disse à agência Lusa fonte dos Bombeiros Sapadores. Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra adiantou que o fogo destruiu uma parte substancial de um edifício de três andares em frente à sede da Associação Académica de Coimbra, na rua Padre António Vieira.