sicnot

Perfil

Desporto

Krovinovic honrado por vestir a mesma camisola de Eusébio

O futebolista croata Filip Krovinovic, que assinou pelo Benfica para as próximas cinco épocas, considerou esta quarta-feira ser uma honra vestir a mesma camisola que Eusébio envergou e estar num dos 16 maiores clubes do mundo.

"Vai ser uma honra vestir esta camisola e entrar num estádio onde jogou o rei Eusébio, o grande Nené e Manuel Bento. Sei muitas coisas sobre o Benfica, que foi duas vezes campeão europeu, e, quando estava no Rio Ave, já os meus colegas me diziam que era o maior clube português e um dos 16 maiores do mundo", disse o médio ofensivo croata, em declarações à BTV.

Krovinovic, de 21 anos, recordou que o Benfica está sempre a disputar a Liga dos Campeões, competição em que tem chegado regularmente aos quartos de final, e prometeu dar tudo para ficar muitos anos no clube e corresponder à confiança do treinador Rui Vitória e do presidente Luís Filipe Vieira.

Questionado sobre a posição que mais gosta de atuar, Krovanovic foi direto na resposta: "Posso jogar a 8 ou a 10, mas jogo onde Rui Vitória quiser. O que eu quero é jogar".

Krovinovic é o segundo reforço do Benfica para a época 2017/18, depois da contratação do avançado suíço Haris Seferovic aos alemães do Eintracht de Frankfurt.

O médio representou o Rio Ave na época passada, tendo marcado cinco golos nos 33 jogos em que envergou a camisola do clube vila-condense, ao qual chegou proveniente do NK Zagreb.

Lusa

  • Krovinovic em Lisboa para assinar pelo Benfica

    Desporto

    Filip Krovinovic já está em Lisboa para assinar pelo Benfica. O médio ofensivo croata de 21 anos chega do Rio Ave num negócio de três milhões de euros. O jogador vai fazer testes médicos esta quarta-feira e deve assinar pelo clube da Luz até 2022.

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".