sicnot

Perfil

Desporto

O polémico raspanete que Hamilton deu ao sobrinho

Lewis Hamilton foi duramente criticado, depois de publicar um vídeo em que dizia ao sobrinho que não podia usar um vestido de princesa. "Os meninos não vestem vestidos de princesas", gritou na publicação do Instagram, que foi depois apagada. As palavras do campeão de Fórmula 1 não caíram bem aos internautas, que o criticaram por defender o estereótipo de que os rapazes não devem usar roupas de rapariga.

"Estou tão triste neste momento", começa por dizer Lewis Hamilton, num vídeo que foi publicado na rede social Instagram. "Porque é que estás a usar um vestido de princesa?", pergunta ao mesmo tempo que mostra aos seus seguidores o sobrinho.

O campeão de Fórmula 1 volta a questionar o sobrinho, desta vez, perguntando se foi a prenda que pediu no Natal. Quando o menino responde a sorrir que sim, Lewis Hamilton grita: "Os meninos não usam vestidos de princesas".

O vídeo recebeu uma onda de críticas por parte dos internautas, que notaram a felicidade da criança e pediram para o menino usar o que quisesse.

Através do Twitter, os internautas mostraram a sua indignação perante as palavras do piloto.

"Lewis Hamilton é lixo e devia ter vergonha"
"Deixem a criança vestir o que quer. Não interessa. Deixa-o ser feliz. Queres que as crianças sejam infelizes?"
"Ele parece realmente feliz com o seu vestido de princesa. Dizer-lhe que os meninos não usam vestidos de princesas irá levá-lo a ter complexos."
"O menino parece genuinamente feliz! Deixa-o aproveitar este momento da sua vida sem se preocupar com as normas impostas na sociedade."

O vídeo foi publicado inicialmente no Instagram, mas as críticas levaram o campeão de Fórmula 1 a apagar a publicação.

Mas como toda a gente sabe, assim que algo é publicado na internet, dificilmente poderá desaparecer. Vários internautas gravaram o vídeo e publicaram nas suas contas.

Na terça-feira, perante as críticas por defender o estereótipo de que os rapazes não podem usar roupas de raparigas, Lewis Hamilton decidiu fazer um pedido de desculpas. Também este nas redes sociais.

"Ontem, estava a brincar com o meu sobrinho e percebi que as minhas palavras tinham sido inapropriadas e, por isso, apaguei a publicação. Não quis magoar nem ofender ninguém, de todo. Amo que o meu sobrinho se sinta à vontade para se expressar, assim como todos nós devíamos. As minhas mais sinceras desculpas pelo meu comportamento, e percebo que não é aceitável, no mundo de hoje, que alguém (...) marginalize ou imponha estereótipos a outras pessoas. Sempre apoiei todas as pessoas que vivem a sua vida exatamente como o desejam e esperado que possa ser perdoado por este lapso."

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.