Desporto

Benfica-Sporting: as histórias de uma saga com 300 episódios

Em julho de 2003, leões e águias defrontaram-se para a Taça Latina, na Suíça. O Benfica levou a melhor (1-0) com um golo de Fernando Aguiar. Na imagem, Rui Jorge e Roger lutam pela bola.

LAURENT GILLIERON

Vinte e dois triunfos são a vantagem que o Benfica tem sobre o Sporting após a realização de 300 capítulos futebolísticos do dérbi dos dérbis, que se realiza há mais de 110 anos.

Em três centenas de encontros, entre campeonato, Taça de Portugal, Taça da Liga, Supertaça, Campeonato de Portugal e Regional de Lisboa, os encarnados somam 130 vitórias, contra 108 dos leões. Juntam-se 62 empates.

O dérbi lisboeta disputou-se pela primeira vez em 1 de dezembro de 1907 e os leões acabaram a década de 50 do século passado na liderança do histórico, mas, nos anos 60, o Benfica assumiu o comando e não mais parou de se distanciar.

Desde essa altura, o Sporting só conseguiu equilibrar a contenda na primeira década do século XXI, mas não deu sequência, já que, desde 2010/11, manda claramente o Benfica, com 10-4 em vitórias e 26-17 em golos.

O conjunto da Luz também comanda nos golos, liderado pelos 27 de Eusébio, ao totalizar 506, face aos 463 dos 'leões', quase meia centena, mais precisamente 48, da autoria de Fernando Peyroteo, o melhor marcador do dérbi.

O Benfica domina a história dos confrontos e não perdeu nenhum dos três últimos, isto depois de três triunfos consecutivos do Sporting, em 2015/16, a primeira época de Jorge Jesus em Alvalade, depois de seis na Luz.

Os leões venceram logo o primeiro encontro da temporada, por 1-0, com um tento do peruano Carrillo, conquistando, no Algarve, a Supertaça Cândido de Oliveira, que continua a ser, porém, o único título de Jesus pelo clube.

Depois desse encontro, o Sporting arrasou o Benfica na Luz, vencendo por 3-0 para o campeonato, com três golos na primeira meia hora, para, depois, em Alvalade, afastar as águias da Taça de Portugal, com um triunfo por 2-1, após prolongamento.

Steven Governo

Ainda em 2015/16, o Benfica viria, no entanto, a inverter a tendência, com uma vitória em Alvalade por 1-0, selada pelo grego Mitroglou, que catapultou o conjunto comandado por Rui Vitória para o tri, com um recorde de 88 pontos.

Na época passada, os encarnados também estiveram melhor, vencendo em casa por 2-1, com tentos do argentino Salvio (24 minutos) e do mexicano Jiménez (47), contra um do holandês Bas Dost (69), e empatando 1-1 em Alvalade, onde o sueco Lindelöf (66) 'anulou' de livre direto o penálti cometido por Ederson e convertido por Adrien (cinco).

No que respeita apenas ao campeonato, a vantagem do Benfica é ainda mais expressiva, com 77 vitórias, contra 47 do Sporting, graças ao equilíbrio nos jogos realizados no recinto dos 'leões', onde os anfitriões só venceram mais um jogo.

Os encarnados também estão por cima na Taça da Liga (duas vitórias contra nenhuma), enquanto o Sporting lidera na Taça de Portugal (18-15), no Campeonato de Portugal (3-2), no Regional de Lisboa (37-33) e na Supertaça (3-1).

A equipa sportinguista ganhou os dois jogos inaugurais, o primeiro em 01 de dezembro de 1907, por 2-1, face ao ainda Sport Lisboa, no Campo da Quinta Nova, em Carcavelos, onde, segundo as crónicas da altura, os seus jogadores fugiram da chuva e só voltaram obrigados pelo árbitro.

Apesar desse desaire, os 'encarnados' ganharam (4-2) o conjunto dos poucos jogos (seis) realizados na primeira década do século XX, assumindo uma superioridade ainda maior na segunda, com 13 triunfos, contra apenas cinco dos 'leões'.

As 'águias' chegaram a ter mais 10 vitórias, só que o Sporting respondeu: foi melhor nas quatro décadas seguintes e no final da temporada 1949/50 já tinha dado a volta ao histórico (56 triunfos, contra 54).

O melhor período do Sporting foi a década de 40, com mais de 50% de vitórias (21, em 40) e 101 golos - recorde em qualquer década -, em pleno reinado dos 'cinco violinos' (Peyroteo, Vasques, Albano, Travaços e Jesus Correia).

Depois, o clube da Luz passou a dominar por completo e reinou nas quatro décadas seguintes, sobretudo na de 70, ainda como o 'pantera negra' Eusébio da Silva Ferreira a ditar leis: 15 triunfos em 27 jogos (55,6 por cento).

O Sporting equilibrou na primeira década do século XXI (oito triunfos para cada lado e outros tantos empates), mas, na segunda, a liderança do Benfica é, para já, clara, com 10-4 em vitórias e 26-17 em golos.

Com Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16