Desporto

Mulheres sauditas assistem ao vivo a um jogo de futebol pela primeira vez

STR

A luta contra a discriminação de género na Arábia Saudita continua a registar progressos. Este mês, as mulheres sauditas vão pela primeira vez poder assistir ao vivo a um jogo de futebol.

A permissão, que abrange as três maiores cidades do país - Riade, Jidá e Dammam -, começou já hoje, com centenas de mulheres presentes nas bancadas do estádio King Abdullah Sports City para um duelo entre o Al-Ahli Jeddah e o Al-Batin, do campeonato saudita. A equipa da casa venceu por 5-0 mas este foi um daqueles casos em que o resultado foi o menos importante.

STR

STR

Este foi mais um passo para dar resposta às reivindicações de grupos ativistas, que exigem maior igualdade entre sexos naquele país.

Uma novidade que se seguiu a outras duas que surgiram nas últimas semanas, ambas no panorama desportivo: o primeiro torneio feminino de squash e o primeiro torneio feminino de basquetebol universitário, conta a BBC.

AFP

Apesar destes progressos, há ainda muitas restrições impostas às mulheres sauditas. Não podem, por exemplo, viajar para o estrangeiro ou abrir uma conta bancária sem a autorização de alguém do sexo masculino. E não, não se trata apenas do marido, pois, segundo as regras, todas as mulheres devem estar acompanhadas, em público, por um homem, seja ele o companheiro ou um familiar.

A Arábia Saudita continua a ser, por isso, um dos países com maiores níveis de desigualdade de género no Médio Oriente.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16