Desporto

Mourinho reitera que Manchester City é um justo campeão

Jason Cairnduff

O treinador do Manchester United, o português José Mourinho, reiterou este domingo a justiça na vitória do rival City na Liga inglesa de futebol, depois da derrota caseira da sua equipa frente ao lanterna-vermelha West Bromwich, por 1-0.

"Não é justo dizer que o United lhes ofereceu o título. Não há que arranjar desculpas. Depois do jogo da semana passada [quando o United venceu o City por 3-2] , disse que, mais tarde ou mais cedo, seriam campeões. O City é um campeão justo", afirmou Mourinho.

A formação comandada por Pep Guardiola, que se tornou no primeiro treinador espanhol campeão em Inglaterra, assegurou o seu quinto título, ao contabilizar 87 pontos, contra os 71 do United, quando faltam cinco jogos às duas equipas.

"O City ganhou porque jogou melhor do que os outros, porque ontem [no sábado] derrotou o Tottenham e por que só perdeu dois jogos esta época. Não é justo dizer que foi o United que lhe ofereceu o título, o United não ofereceu nada", prosseguiu o técnico luso, em declarações à Sky Sports.

Após o desaire com o último classificado, selado com o golo de Jay Rodriguez, Mourinho lamentou a atitude da sua equipa.

"Ganharam-nos com justiça. Esta tarde fomos os mestres da complicação e os jogadores pareciam não querer jogar fácil, tudo era feito com um toque a mais, com mais uma volta, sem continuidade, nem fluidez", referiu.

Mourinho reconheceu que os jogadores dos 'red devils' estiveram displicentes.

"Eu ganhei oito campeonatos e não perco a cabeça por vencer ao City, num jogo que só vale três pontos. Muitos dos meus jogadores pensaram que ganhar ao City era o máximo, mas eu ganhei muito na minha carreira para pensar assim", rematou.

Lusa

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC